BUSCAR
BUSCAR
Futuro prefeito?
Natal será primeira experiência de Álvaro como gestor do Executivo
Ex-deputado foi apenas o 19º candidato mais votado em Natal em 2014 e chegou a ser derrotado por ex-adversários na Prefeitura, como Mineiro e Kelps
Redação
04/04/2018 | 20:31

Álvaro Costa Dias (MDB) é um político experiente, tendo sido eleito cinco vezes como deputado estadual e uma vez como federal pelo Rio Grande do Norte. Aos 58 anos, porém, o atual vice-prefeito de Natal poderá ter na Prefeitura da Capital do Estado a sua primeira experiência como titular do Executivo, numa eventual renuncia do prefeito Carlos Eduardo Alves (PDT) para disputar o Governo do Estado neste ano. A decisão sobre se Álvaro viverá ou não essa experiência será tomada até sexta, dia 6.

Médico por formação acadêmica, Álvaro já foi vice-prefeito de Caicó, em 1988, antes de ser deputado estadual eleito em 1990, 1994 e 1998. Foi presidente da Casa, inclusive, entre 1997 até 2002, tendo sido sucedido no cargo pelo hoje governador Robinson Faria. Em 2002, deixou a Assembleia Legislativa para disputar e ganhar a eleição para deputado federal, obtendo 138 mil votos na disputa – foi o segundo mais votado.

Em 2006, foi reeleito para a Assembleia Legislativa, já filiado ao PDT e, na disputa seguinte, preferiu apoiar o projeto de candidatura de Carlos Eduardo ao Governo e se lançou candidato a vice. Ambos foram derrotados para Rosalba e chegaram a ficar apenas com o terceiro lugar em Natal, berço político de Carlos Eduardo.

De volta ao PMDB e a Assembleia em 2014, Álvaro foi indicado pelo PMDB, presidido na época por Henrique Eduardo Alves, para ocupar a chapa de vice de Carlos Eduardo Alves. O prefeito, candidato a reeleição, preferia o nome do seu correligionário Marcelo Queiroz, da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (Fecomercio). Acabou aceitando o nome de Álvaro, sob o risco do PMDB não apoiá-lo na disputa pela reeleição.

Toda a disputa de bastidor para convencer Carlos Eduardo de que era um bom nome para vice em 2016 parece ter valido a pena. Hoje, Álvaro Dias vive a possibilidade de assumir, pela primeira vez em sua carreira, de forma definitiva, um cargo no Executivo.

POUCO POPULAR  

Em Natal, é bem verdade, Álvaro Dias não é dos políticos mais popular, é bem verdade. Apesar de aliados do prefeito justificarem que ele trabalhou durante anos como médico na capital do Estado, Álvaro foi apenas o 19º candidato a deputado estadual com maior número de votos em Natal. Teve 5.343 votos, menos que nomes como Professor Luís Carlos, Laura Helena, Major Fernandes, Adenúbio Melo e Luiz Gonzaga, por exemplo, quem nem foram eleitos.

Na mesma votação, inclusive, Álvaro Dias teve menos votos que Fernando Mineiro (21.601 votos) e Kelps Lima (17.557), que concorreram contra a chapa dele pela prefeitura de Natal como candidatos a prefeito e acabaram sendo derrotados por ele e Carlos Eduardo.

Em Caicó, onde construiu boa parte de sua trajetória política e tem uma família tradicional na cidade (por falar em família, o irmão dele, Renato Dias é conselheiro do Tribunal de Contas do Estado), Álvaro teve, proporcionalmente, bem mais votos. Foi o segundo mais votado, com 5.410 votos, ou seja, 16,8% do total. Ficou atrás apenas de Vivaldo Costa, que teve quase 32%, com 10.309.

PATRIMÔNIO

Em 2016, quando foi candidato a vice-prefeito de Natal, Álvaro Dias apresentou um patrimônio de R$ 3,1 milhões, uma evolução de 200% com relação ao patrimônio apresentado em 2010, quando foi vice de Carlos Eduardo na disputa pelo Governo. Em 2016, inclusive, Álvaro apresentou um patrimônio que incluía uma fazenda (avaliada em R$ 1,5 milhão) no Maranhão, 568 cabeças de gado (avaliados em R$ 768 mil.

Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - [email protected]
Comercial: (84) 98117-1718 - [email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.