BUSCAR
BUSCAR
Política
Jean Paul Prates critica Álvaro Dias: “Está fazendo política com coronavírus”
Após prefeito de Natal afirmar que governadora, aliada de Jean Paul, tem sido omissa no enfrentamento da pandemia, senador disse que Fátima ajudou Natal a montar leitos para pacientes com Covid-19
Redação
06/06/2020 | 11:28

O senador Jean Paul Prates (PT-RN) criticou o prefeito de Natal, Álvaro Dias, por ter acusado a governadora do Rio Grande do Norte, Fátima Bezerra, de “omissão” no enfrentamento da pandemia de Covid-19. De acordo com o parlamentar, ao fazer críticas à gestão estadual nesse momento, o prefeito da capital potiguar “está fazendo política com coronavírus”.

Ainda segundo Jean Paul, Álvaro Dias parece estar “entrando na onda” do presidente Jair Bolsonaro, por já ter se pronunciado a favor de um planejamento para a reabertura gradual da atividade econômica – mesmo com o número de casos e óbitos por Covid-19 no Rio Grande do Norte estar em ascensão.

“O Governo do Estado emitiu protocolos e diretrizes para o coronavírus. O prefeito está sendo rebelde. Ou deve estar recebendo outro tipo de pressão, fazendo política com coronavírus ou entrando na onda do presidente da República, de dizer que o vírus não é grave ou que a economia vai parar”, afirmou o senador, em entrevista nesta sexta-feira (5) à Rádio Agora FM.

Jean Paul Prates disse que o Governo do Estado, do qual é aliado, não tem sido “omisso” no enfrentamento da pandemia. Ele ressaltou que a gestão de Fátima Bezerra abriu 309 leitos no Estado para atender pacientes com a Covid-19, inclusive auxiliando a Prefeitura do Natal na montagem de seu hospital de campanha, com o fornecimento de insumos.

“A governadora tem ajudado, cooperado com a prefeitura como pode. É a principal cidade do Estado, a capital, a maior concentração populacional. O Estado não pode excluir Natal. Há predisposição e trabalho concreto em relação a Natal”, afirmou.

O senador ressaltou que algumas medidas são de responsabilidade do gestor da capital. “O prefeito não pode se eximir das suas responsabilidades, porque existem competências para legislar e para aplicar a lei. Algumas são de prefeitos. Existem ingerências que tem limites. A governadora não pode sair fechando uma praia em Natal, por exemplo. É importante que haja diálogo”, complementou.

Jean Paul sugeriu, ainda, que Álvaro Dias tenha começado a criticar por motivações eleitorais. “Quer cutucar, provocar, justificar inércia em um caso ou outro. Não sei o que passa na cabeça do prefeito. Tem eleição por aí…”, finalizou o senador.

Críticas de Álvaro
Nesta semana, o prefeito de Natal passou a fazer críticas públicas à governadora Fátima Bezerra. Em entrevista à Tribuna do Norte, Álvaro Dias cobrou da gestão estadual a implantação de um hospital de campanha na capital potiguar.

De acordo com ele, o equipamento estadual diminuiria a sobrecarga de pacientes na rede municipal. Ele afirmou que, por falta de assistência do Governo do Estado, pacientes do interior estão lotando as unidades de pronto atendimento (UPAs) de Natal.

Na quinta-feira (4), à TV Tropical, ele voltou a falar sobre o assunto. “Nossas UPAs estão sobrecarregadas de pacientes do interior, que estão vindo de Canguaretama, Ceará-Mirim, São Gonçalo, Extremoz… Esses pacientes têm de ser socorridos pelo Governo do Estado. Cadê o hospital de campanha do governo? Precisa ter uma ação eficaz, imediata, urgente. As pessoas vão morrer desassistidas”, afirmou Álvaro.

A Secretaria Estadual de Saúde Pública (Sesap) tem afirmado que, em vez do hospital de campanha, tem ampliado a rede assistencial a pacientes com a Covid-19 através da abertura de leitos em hospitais já existentes. Nesta semana, a pasta informou que, desde o início da pandemia, abriu 309 leitos do Estado, sendo 182 de tratamento intensivo (UTI).

Av. Hermes da Fonseca, N° 384 - Petrópolis, Natal/RN - CEP: 59020-000
Redação: (84) 3027-1690
[email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.