BUSCAR
BUSCAR
Defesa
“Eu não tenho culpa nenhuma”, se defende Luiz Almir
Vereador natalense foi condenado a 12 anos e 7 meses pelos crimes de peculato e lavagem de dinheiro
Por Redação
06/03/2017 | 08:09
Condenado a 12 anos e 7 meses pelos crimes de peculato e lavagem de dinheiro, o vereador natalense e apresentador Luiz Almir (PR) se defendeu na manhã desta segunda-feira (6) durante o seu programa “O Povo no Rádio”, pela rádio 96 FM.
Luiz Almir foi condenado junto com o ex-governador Fernando Freire em sentença do juiz Raimundo Carlyle, da 4ª Vara Criminal de Natal. Ambos os políticos foram denunciados pelo Ministério Público por envolvimento em um esquema de desvio de recursos públicos entre os anos de 1995 e 2002, através de pagamento de gratificações de gabinete da vice-governadoria e, posteriormente, da Governadoria.
Contudo, o vereador se isentou de responsabilidade no esquema. “Eu não tenho culpa nenhuma. Eu não sou gestor nem ordenador de despesas para dar gratificações. Só quem podia dar gratificação era ele (Fernando Freire), e ele deu”, explicou Almir. “Como vereador, o que eu posso fazer é pedir. E pedir não é crime”, salientou.
No processo, foi identificado que 13 pessoas foram incluídas como beneficiárias do esquema mediante recebimento de cheque-salário, sendo a maioria indicada pelo, na época, deputado estadual Luiz Almir.
Além disso, a decisão acusa que os beneficiários das gratificações prestavam serviço para a Fundação Augusto Severo, que tinha como presidente de honra o vereador, e/ou trabalhavam nas campanhas dos políticos citados. As investigações indicaram que as pessoas que recebiam as gratificações repassavam os valores para outras contas, visando beneficiar Freire e Almir.
Sede: Rua dos Caicós, 2305-D, Nossa Sra. de Nazaré. Natal/RN | CEP: 59060-700
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - [email protected]
Comercial: (84) 98117-1718 - [email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.