BUSCAR
BUSCAR
Prejuízo
Confisco de salário de prefeito Carlos Eduardo afeta cerca de 2 mil servidores de Natal
Prefeito cortou vencimentos de servidores que participaram de movimento grevista recentemente; alguns receberam apenas R$ 1,00.
Rodrigo Ferreira
09/03/2017 | 05:40

A atitude do prefeito de Natal, Carlos Eduardo Alves (PDT), de cortar os salários dos servidores que participaram da greve unificada realizada recentemente na capital segue gerando polêmicas entre o executivo e a categoria. Segundo informações apuradas pelo Agora Jornal, cerca de 2 mil servidores, ao todo, foram afetados pela medida do prefeito. Alguns deles receberam a quantia inexpressiva de R$ 1,00 como pagamento.

Diante da situação, uma comissão formada pelos vereadores Natalia Bonavides (PT), Sandro Pimentel (PSOL), Kleber Fernandes (PDT), Raniere Barbosa (PDT), Carla Dicksson (PROS) e Felipe Alves (PMDB) na Câmara Municipal de Natal está tentando dialogar com Carlos Eduardo para que as cifras sejam ajustadas aos servidores afetados.

Na quinta-feira passada, por unanimidade, a Casa aprovou um requerimento de autoria do vereador Sandro Pimentel que solicita ao prefeito o ressarcimento imediato dos valores descontados dos salários dos servidores do município. A aprovação do texto representa o posicionamento do Legislativo natalense diante do impasse.

Prestes a conseguir um decreto, a comissão conversou com o vereador Ney Lopes Jr. (PSD), líder do prefeito na CMN, que prometeu uma resposta de Carlos Eduardo até esta quinta-feira 9. Caso o posicionamento não chegue, os vereadores irão retomar o requerimento e, posteriormente, decretar que o chefe do executivo municipal ajuste os salários dos servidores de maneira imediata.

Sede: Rua dos Caicós, 2305-D, Nossa Sra. de Nazaré. Natal/RN | CEP: 59060-700
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - [email protected]
Comercial: (84) 98117-1718 - [email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.