BUSCAR
BUSCAR
Pedido
Procuradoria pedirá pena de morte para atirador de massacre na Flórida
Outra opção caso ele seja condenado é a prisão perpétua sem possibilidade de condicional; um acordo com a promotoria para evitar a pena capital ainda não está descartado
Estadão
13/03/2018 | 17:46

Procuradores do Estado da Flórida pedirão a pena de morte contra Nikolas Cruz, o atirador preso após a morte de 17 pessoas em uma escola secundária de Parkland, no mês passado.

A audiência na qual deve ser decidida a pena pedida para Cruz deve ocorrer nesta quarta-feira, 14. Ele foi indiciado por 17 homicídios em primeiro grau e 17 tentativas de homicídio. Conforme a lei americana, o indiciamento e a definição da pena ocorrem em audiências separadas.

Os advogados de Cruz disseram que ele poderia declarar-se culpado caso a pena de morte não fosse pedida pela acusação. A outra opção caso ele seja condenado é a prisão perpétua sem possibilidade de condicional. Um acordo com a promotoria para evitar a pena capital ainda não está descartado.

No dia de São Valentim, Cruz atirou contra estudantes e professores com um fuzil semiautomático AR-15, também usado em outros ataques a tiros similares nos EUA. Foi capturado tentando fugir.

Os estudantes de Parkland iniciaram um dia depois o movimento “Nunca mais”, identificado pela hashtag #NeverAgain, para exigir dos políticos que tomem medidas com vistas a resolver o problema destes ataques trágicos nos Estados Unidos.

Só na Flórida, em menos de dois anos ocorreram três ataques a tiros de grande repercussão: um em Orlando, onde morreram 49 pessoas, outro no aeroporto de Fort Lauderdale, onde morreram cinco, e o último em Parkland.

Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - [email protected]
Comercial: (84) 98117-1718 - [email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.