BUSCAR
BUSCAR
Pandemia
Mundo ultrapassa 18 milhões de casos de Covid-19, diz universidade
Estados Unidos e Brasil, nesta ordem, lideram o ranking de países com maior número de infectados e de mortos pela doença.
CNN Brasil
03/08/2020 | 08:20

O mundo ultrapassou, na noite deste domingo (2), a marca de 18 milhões de casos confirmados do novo coronavírus. A contagem é feita pela universidade americana Johns Hopkins, que atualiza painel em tempo real com números da pandemia.

Às 23h50 (horário de Brasília) deste domingo, o painel da universidade americana informava que o planeta já registrou 18.017.556 infectados. No mesmo horário, eram contabilizadas 687.930 mortes pela Covid-19 em todo o planeta, desde o início dos registros.

Os Estados Unidos são o país atualmente com mais casos confirmados (4,6 milhões) e óbitos (154,8 mil) relacionados ao novo vírus Sars-CoV-2, que causa a Covid-19. O Brasil é o segundo país do mundo mais atingido em números absolutos, com 2,7 milhões de casos confirmados e 94,1 mil mortes.

Na sequência, entre os dez países com mais casos, aparecem Índia (1,7 milhão); Rússia (849,2 mil); África do Sul (511,4 mil); México (439 mil); Peru (422,1 mil); Chile (359,7 mil), Irã (309,4 mil) e Reino Unido (306,3 mil).

Entre os países com mais mortes, aparecem, além de Estados Unidos e Brasil: México (47,7 mil); Reino Unido (46,2 mil); Índia (37,3 mil); Itália (35,1 mil); França (30,2 mil); Espanha (28,4 mil); Peru (19,4 mil) e Irã (17,1 mil). A universidade registra, ainda, 10.649.108 pessoas recuperadas do novo vírus – 2.062.876  delas no Brasil.

Os números compilados pela Johns Hopkins são atualizados várias vezes no mesmo dia. Segundo a universidade, os dados vêm de fontes como a OMS (Organização Mundial da Saúde) e autoridades de saúde de diferentes países.

Contágio em aceleração

Os dados da Johns Hopkins mostram uma contínua escalada no registro de novos casos de pessoas infectadas pelo vírus, considerando a contagem global.

A OMS têm noticiado recordes seguidos de casos diários e, no momento, há focos de aceleração da doença em todo o mundo, mesmo em regiões que conseguiram reduzir consideravelmente o pico de contágio, como a Europa e áreas da Ásia, onde já se fala na possibilidade de uma “segunda onda”. Os primeiros casos de Covid-19 foram reportados na China entre o fim de 2019 e o começo de 2020.

O primeiro milhão de casos no mundo foi registrado pelo painel da Johns Hopkins em 2 de abril – portanto, mais de três meses após o início dos registros. Depois disso, porém, o crescimento se acentuou e o segundo milhão foi contabilizado já no dia 15 de abril. No mesmo mês, no dia 27, foi reportado o terceiro milhão de infectados.

Em maio, foram outras três marcas expressivas: 4 milhões de casos no dia 9, 5 milhões no dia 21 daquele mês e 6 milhões no dia 30. O mundo passou de 7 milhões de casos de Covid-19 no dia 7 de junho e a marca de 8 milhões veio no dia 15. Uma semana depois, no dia 22, já eram 9 milhões de infectados e a barreira dos 10 milhões de casos foi rompida 6 dias depois, no dia 28 de junho.

O mês de julho viu o número de infectados passar de 11 milhões no dia 4. Quatro dias depois, no dia 8, a John Hopkins já contava 12 milhões de casos. No dia 13 de julho, o planeta rompeu a marca de 13 milhões de casos. Os 14 milhões de infectados foram confirmados no dia 17 e a contagem de 15 milhões foi registrada no dia 22 do mesmo mês. 

Ainda no mês de julho, a contagem avançou para 16 milhões no dia 26 e cerca de quatro dias depois, na última quinta-feira (30), chegou a 17 milhões. Logo no início de agosto, nesta segunda (3), o total já subiu para 18 milhões de casos confirmados desde o inicio da pandemia.

Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - [email protected]
Comercial: (84) 98117-1718 - [email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.