BUSCAR
BUSCAR
Esporte
Coreias fecham acordo e delegações vão desfilar juntas nas Olimpíadas de Inverno
Aproximação entre as duas Coreias, que começou há poucas semanas, resultou em um acordo definitivo neste fim de semana na sede do COI, na Suíça
Agência Estado
20/01/2018 | 14:16

Num acordo considerado histórico, o Comitê Olímpico Internacional (COI) anunciou neste sábado, 20, que Coreia do Norte e Coreia do Sul desfilarão unidas na abertura dos Jogos de Inverno de Pyeongchang, em fevereiro, e que Pyongyang enviará ao evento 22 atletas.

A aproximação, que começou há poucas semanas, resultou em um acordo definitivo neste fim de semana na sede do COI, na Suíça. De acordo com Thomas Bach, presidente da entidade, os dois países entrarão juntos no estádio olímpico, naquele que deve ser o ponto mais significativo do evento sediado pela Coreia do Sul a partir de 9 de fevereiro.

Os dois países já tinham entrado em um acordo para competir sob uma mesma bandeira. No desfile, usarão apenas o nome “Coreia” e um atleta de cada lado empunhará a bandeira com um mapa unificado.

“Hoje é um grande dia, em que o espírito olímpico uniu duas partes”, disse Bach em uma coletiva de imprensa com os dois governos e na qual perguntas foram proibidas.

No total, os norte-coreanos competirão com 22 atletas. Bach indicou que haverá um só time de hóquei feminino, com jogadores de ambos os lados da fronteira. O treinador será do Sul. Mas ele tem a obrigação de escalar para cada jogo pelo menos três atletas do Norte.

A Coreia do Norte ainda participará de competições de esqui, com três atletas, e de patinação, com a dupla Ryom Tae-ok e Kim Ju Sik. Também foram abertas vagas para outras modalidades na patinação. Também viajarão ao sul 24 treinadores norte-coreanos e 21 jornalistas, todos eles escolhidos pelo regime de Pyongyang.

Uma delegação de artistas norte-coreanos também será enviada para eventos culturais. Sob um forte regime de sanções, os norte-coreanos contarão com todo material esportivo enviado pelo COI.

POLÍTICA
Essa não será a primeira vez que os dois países competirão juntos, mas a iniciativa não ocorria desde 1991. Desta vez, a declaração é de especial importância política, depois de um dos períodos de maior tensão entre o regime e os aliados do Sul, principalmente Estados Unidos e Japão.

Em Seul, porém, a aproximação esportiva com o Norte tem causado danos para a popularidade do presidente Moon Jae-in, principalmente na ala mais conservadora. Seus críticos o acusam de estar “rifando” o espírito olímpico, em nome de atalhos diplomáticos.

A desconfiança está baseada no fato de que, há pouco mais de um mês, eram ameaças de enviar mísseis que dominavam a agenda. Agora, são patinadores.

“Estamos transformando os Jogos de Pyeongchang nos Jogos de Pyongyang”, acusou nesta semana Hong Joon-pyo, líder do principal grupo de oposição.

A aposta do governo, porém, é de que um desfile comum entre os dois lados da fronteira, com imagens difundidas por todo o mundo, poderá dar início a um debate mais positivo em outros assuntos mais delicados, como o dossiê nuclear.

Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - [email protected]
Comercial: (84) 98117-1718 - [email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.