BUSCAR
BUSCAR
Covid-19
Governo do Estado reforça necessidade de isolamento para conter coronavírus
Em coletiva nesta sexta (10), membros do Executivo Estadual falaram sobre medidas adotadas para minimizar efeitos econômicos no RN
Redação
10/04/2020 | 15:43

Durante a coletiva desta sexta-feira (10), membros do Governo do Estado realizaram uma nova atualização sobre as ações que estão em andamento para conter a expansão do novo coronavírus (Covid-19) e frisaram as medidas que estão sendo adotadas para minimizar os efeitos econômicos no Rio Grande do Norte.

Participaram os secretários Jaime Calado (Desenvolvimento Econômico), Petrônio Spinelli (adjunto da Saúde) e o controlador Geral do Estado, Pedro Lopes.

Jaime Calado disse que o Governo está preocupado com as vidas das pessoas e também com a das empresas, desde a microempresa ao empreendedor individual. “O Estado dispensou o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) de todas as empresas do Simples Nacional, um esforço para salvar as empresas, principalmente as pequenas. Nós temos um grupo que se reúne por videoconferência semanalmente com diversas empresas e prestadoras de serviços para monitorar o fornecimento e abastecimento do RN. Também estamos em constante comunicação com os bancos, as federações da indústria, do comércio e transportes para tomar as medidas necessárias e termos continuidade dos serviços no estado.”

Em relação ao novo decreto, o de nº 29.600, publicado no Diário Oficial desta quinta-feira (9), sobre os efeitos em relação ao funcionamento dos supermercados, Pedro Lopes esclareceu que “prevalece e vale o decreto do Governo do Estado Rio Grande Norte, inclusive baseado no último entendimento do Supremo Tribunal Federal. Contudo, saliento, o decreto só valerá a partir da próxima segunda-feira (13)”.

Ele lembrou que o Governo se reunirá com os representantes dos supermercados na segunda-feira (13) para que seja discutidas medidas que possam reduzir o perigo de contágio da população. A partir desse diálogo, de acordo com o controlador, pode haver um aprimoramento do decreto. “A princípio, o decreto está mantido e irá vigorar partir de segunda”, reafirmou.

O controlador destacou também a necessidade da população se conscientizar da gravidade da situação. “O isolamento social é uma medida eficaz para evitar o alastramento. Com certeza temos vidas poupadas porque tomamos medidas preventivas, se nada tivesse sido feito há um mês, hoje, certamente já estaríamos em estado de calamidade muito mais intensiva e quase todo comércio, sem exceção, já estaria fechado, o que consequentemente afetaria muito mais as esferas social e econômica. Então é muito importante que a população cumpra as medidas. O estado irá realizar fiscalizações educativas para proteger a população”, ressaltou.

Petrônio Spinelli enfatizou que os números são preocupantes, “praticamente não houve um aumento de números confirmados, hoje temos 263 casos, temos outros elementos que indicam que esses números positivos são por causa da falta de testagens. Mas o número de pessoas internadas teve um aumento e isso é muito preocupante. Além disso, precisamos considerar as aberturas de novos leitos e que as pessoas evitem que essa curva se acentue de forma rápida”, acrescentou o secretário adjunto da secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap) .

Sobre a distribuição dos testes rápidos ele explicou que têm aplicação específica. “Nosso foco é que sejam para os profissionais da saúde que trabalham diretamente com a Covid-19 e para as pessoas internadas. Os testes estão vindo e são monitorados pelo Ministério da Saúde. Já chegaram no estado, mas estamos aguardando uma negociação final para estabelecer critérios unificados entre as secretarias estaduais e o Governo Federal.

Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - [email protected]
Comercial: (84) 98117-1718 - [email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.