BUSCAR
BUSCAR
Opinião
Editorial: Em rota de colisão
Redação
27/01/2020 | 00:05

Não há mais a menor dúvida que o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, além de forte candidato à sucessão de Bolsonaro, é uma bomba relógio dentro de um governo vocacionado para explosões.

O episódio envolvendo a criação de um Ministério da Segurança Pública, acenada e cancelada numa mesma semana pelo presidente, mas que pode ser restabelecido a qualquer momento, definiu a natureza da situação.
Para Moro o problema é Bolsonaro e para Bolsonaro, adivinhem.

Na física, o processo de fissão nuclear é a quebra do núcleo de um átomo instável em dois núcleos menores pelo bombardeamento de partículas como nêutrons.

No governo do capitão Jair, é simplesmente alguém quer alguma coisa mais do que ele. Voltando à física da política, “bolsonarismo” e “morismo”, separados, são forças antagônicas dentro de uma bomba chamada extrema direita brasileira.

Logo, o que está em disputa é a hegemonia, por suposto.

Quando o PT estava no poder e, como costuma dizer o jornalista Reinaldo Azevedo, parecia mais eterno do que os diamantes, uma das acusações feitas ao partido dizia respeito a suas posições hegemônicas, não obstante as alianças celebradas ao longo dos governos Lula e Dilma.

Jair Bolsonaro é pior, muito pior, se considerarmos que para alguém que pregava contra a reeleição presidencial, ele não só antecipou em três anos esse debate (posto desde o ano passado), como suas consequências tendem a ser deletérias.

Sem partido por enquanto, tendo em vista a implosão do PSL logo no primeiro ano de seu governo, o capitão mira um partido no qual ele seja a expressão da lei, a síntese de tudo, não cabendo nesse projeto espaço para mais nada.

Ou seja, Sérgio Moro que procure outro caminho. O problema é o reloginho em cima dessa bomba já foi ativado.

Ao desistir temporariamente da criação do Ministério da Segurança Pública, Bolsonaro apenas reprogramou a explosão para mais tarde, possivelmente quando a relação com o seu ministro mais poderoso esteja irreversivelmente deteriorada.

Nada a fazer, portanto, a não ser esperar. Tic,tac, tic, tac…

Av. Hermes da Fonseca, N° 384 - Petrópolis, Natal/RN - CEP: 59020-000
Redação: (84) 3027-1690
[email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.