BUSCAR
BUSCAR
Diretrizes
Empresários da cerâmica vermelha se reúnem para discutir prioridades até o fim do ano
Pedro Terceiro de Melo, presidente do Sindicer-RN, destacou que o setor, que gera no Estado em torno de seis mil empregos diretos e tem se aperfeiçoado e desenvolvido programas em busca de cumprir as normas que regem a atividade
Sistema Fiern
18/11/2018 | 11:03

A diretoria do Sindicato da Indústria de Cerâmica Vermelha para Construção do Rio Grande do Norte (Sindicer-RN) se reuniu nesta sexta-feira (16), com a participação de empresários do setor, para discutir as ações que terão prioridade até o fim do ano e a continuidade de programas que estão em andamento para o aperfeiçoamento da produção e dos processos que resultam na segurança dos colaboradores destas empresas.

A reunião teve a participação do deputado Hermano Morais e do prefeito de Carnaúba dos Dantas, Gilson Dantas. No encontro, também estiveram ceramistas das regiões Vale do Açu, Seridó e Oeste e Alto Oeste. Por sugestão do deputado, deverá ser articulada uma audiência pública na Assembleia Legislativa, ainda este mês, para a qual serão convidados os representantes das empresas e dos órgãos que atuam na fiscalização ambiental e das normas trabalhistas, como Ministério do Trabalho, Ministério Público do Trabalho e Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM).

“Estamos à disposição para contribuir e ajudar visando que se chegue a um entendimento e no melhor resultado para aperfeiçoamento da atividade, com prazos razoáveis e viáveis aos produtores”, disse o deputado Hermano Morais.

O vice-presidente do Sistema Fiern e presidente do Sindicer-RN, Pedro Terceiro de Melo, destacou que o setor, que gera no Estado em torno de seis mil empregos diretos, tem se aperfeiçoado e desenvolvido programas em busca de cumprir as normas que regem a atividade. Desde o início do anos 2000, são feitas parcerias Sesi, a Senai e o Sebrae para aperfeiçoamento dos procedimentos, equipamentos e capacitação dos colaboradores. Ele lembrou que o setor tem sido eficaz na execução destes programas voltados à adaptação aos regulamentos dos órgãos de fiscalização e de avanços de produtividade.

Alguns ceramistas demonstraram preocupação com os prazos para o cumprimento de adequações, determinados após fiscalizações de instituições como o Ministério Público do Trabalho, a exemplo da operação que ocorreu nesta semana no Vale do Açu. Este deverá ser um dos temas da audiência pública na Assembleia. As empresas de cerâmica afirmaram que procuram cumprir as recomendações e tem firmado termos de compromisso com órgãos de fiscalização, mas não se pode cumprir prazos que não têm possibilidade de serem respeitados pelo tempo exíguo que se tenta impor.

Pedro Terceiro disse que no caso da fiscalização recente no Vale do Açu houve mal entendido. As notícias citaram o setor de cerâmicas de forma equivocada, uma vez que os fiscais apontaram situações que consideram mais graves em atividades que não tem relação com as empresas de cerâmica. Ele disse que a maioria os casos de inadequação não envolveram empresas cerâmicas e mesmo nas situações nas quais alguns foram autuadas, são casos específicos e não são representativos da situação na maioria da indústria cerâmica, que vêm cumprindo a regulamentação.

Mesmo assim, a diretoria do Sindicer e os ceramistas que participaram da reunião vão solicitar novos relatórios de técnicos em segurança do Trabalho do Sesi para que se avalie a necessidade de novas medidas de atualização dos processos utilizados na produção.

Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - [email protected]
Comercial: (84) 98117-1718 - [email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.