BUSCAR
BUSCAR
Coluna
Fura-teto
É assim que tem sido chamado em conversas reservadas, em Brasília, o potiguar Rogério Marinho
Daniela Freire
17/08/2020 | 06:50

“Ministro fura-teto”. É assim que tem sido chamado em conversas reservadas, em Brasília, o potiguar Rogério Marinho, que comanda o Ministério do Desenvolvimento Regional. Quem o apelidou assim? O
ministro da Economia, Paulo Guedes.

DISPUTA FORTE

O fato foi revelado pelo jornalista Tales Faria, do portal UOL, ao comentar sobre a guerra explícita que foi travada entre os dois auxiliares da área
econômica de Bolsonaro.

BASTIDORES

Segundo Faria, Rogério Marinho “tem defendido formas de flexibilização do
teto para aumentar liberações de verbas e obras públicas”, enquanto “Guedes chegou a dizer que ia bater de frente” contra essa ideia.

QUEM VENCE?

Na matéria publicada, a informação é de que “Rogério Marinho tem chance de derrotar Guedes” na disputa pelo apoio e atenção do presidente Jair Bolsonaro.

FORÇA

Para o jornalista, Rogério Marinho não pode ser considerado carta fora do
baralho na luta travada contra o Posto Ipiranga. “Ele veio do tucanato, do PSDB. Mas se aliou ao centrão durante a tramitação no Congresso da
reforma da Previdência. E, agora, conta com o forte apoio de bastidores dos ministrosmilitares do Planalto”, avaliou.

IMAGEM

Chamado de “candidato desconhecido” pela oposição, o senador Jean Paul Prates, que é o nome do PT colocado para a disputa pela Prefeitura de
Natal, tratou de incrementar as suas redes sociais com postagens em que enaltece expressões genuinamente potiguares, numa clara tentativa de aproximação com o eleitor desta capital.

BOM SINAL

A governadora Fátima Bezerra comemorou os dados publicados pelo Ministério da Saú de no fim de semana sobre a Covid-19 no RN. É
que o Estado apareceu como o primeiro do Nordeste e o segundo do Brasil em diminuição do número de óbitos provocados pela doença.

RESSALVA

Segundo os números, o Rio Grande do Norte apresentou uma diminuição
de 55% no número de mortes pelo novo coronavírus. “Mas lembramos a todos que apesar da melhora no cenário, a pandemia não acabou. Precisamos continuar conscientes da importância de seguir à risca os protocolos e medidas sanitárias definidas por especialistas”, destacou a governadora nas redes sociais.

PERSEGUIÇÃO

A Frente de Evangélicos no RN está repudiando o que considera “perseguição política” a policiais antifascismo no Rio Grande do Norte. Falam da instauração de um inquérito policial, por requisição do
promotor Wendell Beethoven, com a acusação de que os militantes antifascistas seriam, na verdade, uma milícia ou organização
armada paramilitar.

INTERESSE POLÍTICO

A entidade emitiu até nota sobre o assunto, afirmando que não se pode
tolerar “abusos e violações de direitos” e pedindo que “cessem as perseguições”. “Entendemos que falta justa causa para tal investigação
e que a mesma é motivada tão somente por interesses políticos”, diz o texto.

ELES NÃO BRINCAM

Os evangélicos já começaram a se articular para ter um vice na chapa
de Jair Bolsonaro em 2022. É o que afirma a coluna de Matheus Leitão na
Veja. Sinais emitidos pelo presidente fizeram “a bancada se movimentar atrás de um nome para compor com o presidente”. “O problema é a pulverização do grupo religioso”, diz o colunista.

MAS OLHA!

A delação de Antônio Palocci sobre Lula e BTG não tem provas. Quem disse foi a própria Polícia Federal, que afirmou que relatos foram “desmentidos” e “afirmações parecem ter sido encontradas em pesquisas na internet”. “Um relatório subscrito pelo delegado Marcelo Feres Daher põe em xeque veracidade das revelações e esvazia impacto da colaboração premiada do ex-homem forte dos Governos Lula e Dilma”, contou o Estadão.

Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - [email protected]
Comercial: (84) 98117-1718 - [email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.