BUSCAR
BUSCAR
Opinião
Deputado pede que tratamento para Covid seja “publicizado” no RN
Daniela Freire
29/07/2020 | 00:47

Divulgar
O deputado estadual Vivaldo Costa alertou, durante pronunciamento na sessão remota da Assembleia Legislativa desta terça-feira, que o tratamento que vem sendo sugerido pela OMS para a Covid-19 – uso de anti-inflamatórios e oxigênio em pacientes em estado grave – precisa ser melhor “publicizado” entre a população.

É preciso
“Vamos nos orientar pela OMS, que preconiza a dexametasona e o oxigênio, e proporcionar uma maior divulgação desse tratamento para que a população tome o devido conhecimento”, afirmou o parlamentar.

Contraste
Na mesma sessão desta terça, o deputado Albert Dickson reclamou da decisão da Anvisa que recentemente proibiu a venda de ivermectina sem receita médica. E avisou: vai questionar a mudança na Justiça. Ele disse que não existe motivo para a postura adotada pela entidade e ainda defendeu o uso do medicamento como tratamento profilático contra o coronavírus.

Zero interferência
“Houve Influência da Terapêutica Preconizada pela Prefeitura (de Natal) sobre a curva epidêmica do RN?”. Essa pergunta foi respondida por seis professores da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, que lançaram um release afirmando, com base científica e dados reais, que a Ivermectina distribuída pela gestão do prefeito Álvaro Dias – ou o uso em massa do medicamento pela população – em nada mudou a trajetória da curva de óbitos no RN.

Isolamento que funcionou
“A resposta é não”, dizem os professores, que mostram o verdadeiro motivo da queda da curva da Covid-19 no Estado: isolamento social e uso de máscara. “A trajetória da curva foi mudada principalmente pelo isolamento social (mesmo que abaixo do requerido)”, diz o documento.

Lógica
Os professores confrontam o ideal posto pela prefeitura da capital, de que o uso do vermífugo contribuiu paro o novo cenário. “Se funcionasse, teria aumentado muito o número de recuperados. Natal não tem mais recuperados que outros lugares”.

Redes sociais em peso
O ministro das Comunicações do governo Bolsonaro, o potiguar Fábio Faria, participou nesta terça-feira de uma videoconferência com representantes do Facebook (Murillo Laranjeira), Google (Marcelo Lacerda), Twitter (Fernando Gallo) e WhatsApp (Pablo Bello).

Compromisso
Em pauta: “Debate sobre as temidas Fake News e sobre a legislação acerca das redes sociais”. “Reafirmei meu compromisso com a defesa da liberdade de expressão e estabeleci um diálogo com os representantes da área”, afirmou o ministro nas suas redes sociais.

Opinião
Do jornalista Antero Greco: “Quando alguém diz ‘não gosto de política’ ou ‘Político é tudo igual, tudo ladrão’, pode ter certeza de que se trata de alguém que sempre vota em ‘político tudo igual, tudo ladrão’. Cai fácil na conversa do mau político, justamente porque não se interessa por política”.

Franco crescimento
A Netflix está cada vez mais próxima de se tornar o principal serviço de TV por assinatura nos Estados Unidos, informa a revista Exame. “De acordo com uma pesquisa realizada pela Variety, a plataforma digital já conta com quase 70 milhões de usuários pagantes, enquanto todas as operadoras de TV a cabo no país somam 77,5 milhões de assinantes”, diz a matéria.

Sem interferência
Deu na imprensa nacional que o presidente da Câmara Federal, Rodrigo Maia, minimizou o rompimento do DEM e MDB do Centrão. Ele desvincula o movimento da eleição da Casa, da qual ele é candidato à reeleição. Em nota, o deputado disse que “a formação de blocos busca mais representação na Comissão Mista de Orçamento”.

Ideia
Deputado do PSB e presidente da Comissão do Meio Ambiente da Câmara, Rodrigo Agostinho vai propor lei para a Amazônia. A ideia do parlamentar é construir, para a Amazônia, algo como a Lei da Mata Atlântica, que tramitou durante 14 anos, e a Lei do Pantanal.

Rápidas

Podem abrir o que for, mas os “terreiros” na Bahia não vão funcionar de forma presencial durante a pandemia. Ordem que veio de cima, dos Orixás, segundo líderes religiosos. A Prefeitura de Salvador já autorizou o retorno de atividades em templos e espaços religiosos.
Nos próximos dias, quatro centros de testagem para a vacina produzida por um laboratório chinês contra o novo coronavírus entrarão em funcionamento no Brasil — três deles no estado de São Paulo. A informação foi divulgada ontem pelo secretário estadual de Saúde de SP, Jean Gorinchteyn, em entrevista coletiva no Palácio dos Bandeirantes.
Olha só quem busca parceria com o Brasil para produzir vacina por aqui: a Rússia. “Os russos estão em discussões com laboratórios farmacêuticos brasileiros para um acordo de produção local da vacina”, informou o jornal Valor Econômico.

Av. Hermes da Fonseca, N° 384 - Petrópolis, Natal/RN - CEP: 59020-000
Redação: (84) 3027-1690
[email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.