BUSCAR
BUSCAR
Política potiguar
O exemplo da Câmara
Redação
23/06/2020 | 03:51

Enquanto a Assembleia Legislativa segue com a Reforma da Previdência engavetada, parada, estacionada, sob o silêncio dos servidores estaduais, a Câmara de Natal avança com o assunto no plano municipal. Em pouco mais de um mês, a proposta enviada pelo prefeito Álvaro Dias já foi aprovada pelas comissões de Justiça e de Finanças. E segue agora para a Comissão de Saúde, Previdência e Assistência Social. Falta pouco para ser enviada ao plenário, onde os vereadores darão a palavra final sobre o tema, podendo inclusive apresentar emendas.

Na Assembleia, enquanto isso, a reforma está empacada. Há três meses, a comissão especial que foi montada para discutir o assunto não se reúne. Formada no dia 9 de março, a comissão de cinco deputados se reuniu apenas duas vezes. Depois, os trabalhos foram paralisados por causa da pandemia de coronavírus. Havia a expectativa de que, um mês depois de a comissão ser montada, a proposta fosse enviada para o plenário da Assembleia, para ser analisada pelo conjunto de deputados estaduais. Não andou.

Não há mais justificativa para que o assunto permaneça adormecido. O rombo nas contas públicas só aumenta e o prazo para que o Estado aprove o texto (31 de julho) se aproxima, sem que seja oferecido aos servidores e deputados a chance de trabalhar mudanças em um tempo razoável – a fim de aperfeiçoar a proposta. Estão aguardando o fim do prazo chegar para aprovar a reforma às pressas? Retardar o debate não é a melhor opção.

Passou da hora de reiniciar as discussões. A Câmara de Natal já deu o exemplo de que não dá para esperar.

Qual é o motivo?

Oficialmente, a tramitação da Reforma da Previdência parou por causa da pandemia. Deputados afirmam que não desejam discutir um assunto tão complexo por videoconferência, já que as sessões presenciais estão suspensas na Assembleia. O real motivo, no entanto, é outro. Se fosse a pandemia, outras comissões da Casa – que discutem temas igualmente complexos – teriam paralisado suas atividades.

Inversão de papéis

O senador Styvenson Valentim (Podemos) está devendo uma retratação. No domingo (21), ao publicar vídeo que constrangeu seus familiares – por expor uma irmã que recebeu o Auxílio Emergencial –, o senador generalizou e disse que a imprensa potiguar é “suja” e “baixa”. Que nome se dá ao que o senador protagonizou em suas próprias redes no fim de semana?

Orientações jurídicas

Na próxima quarta-feira (25), às 14h, o Pros do Rio Grande do Norte fará uma live para dar orientações jurídicas aos pré-candidatos do partido a prefeito e vereador nas eleições de 2020. A transmissão será pelas redes sociais do partido, com participação do presidente do diretório estadual, o ex-prefeito de São Gonçalo Jaime Calado, e do advogado Leonardo Braz.

Siga o dinheiro I

A Procuradoria-geral da República (PGR) começou a descobrir o rastro do dinheiro que financia manifestações antidemocráticas favoráveis ao fechamento do Congresso Nacional e do Supremo Tribunal Federal. Segundo o jornal O Globo, ao pedir a quebra do sigilo bancário do deputado federal General Girão (PSL-RN), o Ministério Público apontou que o parlamentar potiguar foi um dos que usaram dinheiro público para divulgar as manifestações antidemocráticas em suas redes.

Siga o dinheiro II

Segundo o inquérito, General Girão, Bia Kicis (DF), Guiga Peixoto (SP) e Aline Sleutjes (PR), todos do PSL, repassaram verbas para a Inclutech Tecnlogia, empresa do marqueteiro Sérgio Lima, responsável por cuidar da marca do Aliança pelo Brasil, partido que o presidente Jair Bolsonaro tentar criar. A empresa é suspeita de produzir de conteúdos para divulgação de atos com pautas antidemocráticas.

Siga o dinheiro III

De acordo com o Portal da Transparência, a Inclutech recebeu do gabinete de General Girão na Câmara R$ 22.200 apenas este ano, em março, abril e maio.

Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - [email protected]
Comercial: (84) 98117-1718 - [email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.