BUSCAR
BUSCAR
Política potiguar
Alívio para as empresas
Redação
16/06/2020 | 03:35

O governo deve prorrogar para quatro meses, no máximo, os efeitos da medida provisória que autoriza as empresas a negociaram diretamente com seus empregados a suspensão do contrato de trabalho e redução de salário. Segundo técnicos da equipe econômica, o prazo da duração da suspensão de contratos, que hoje é de 60 dias, será ampliado por mais 60 e do corte salarial, que é de até 90 dias, por mais 30 dias. Os empregadores terão que fazer uma nova renegociação com os trabalhadores. Editada em 1º de abril, a MP faz parte do pacote do governo para ajudar as empresas a atravessarem a crise provocada pela pandemia do novo coronavírus. Durante a vigência dos acordos, a União paga um benefício diretamente para os trabalhadores com contratos suspensos ou salários reduzidos. Esse auxílio é calculado com base nas parcelas do seguro-desemprego (entre R$ 1.045 e R$ 1.813).

“Guerra de mídia”

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta segunda-feira que a reforma administrativa deve ficar para 2021, devido à pandemia do novo coronavírus e das eleições, programadas para o fim do ano. Ele disse também que é necessária uma “guerra de mídia” para conseguir aprovar o projeto.

Balança pode cair

A ida do ministro da Educação, Abraham Weintraub, a uma manifestação no domingo em Brasília no momento em que o presidente Jair Bolsonaro tem buscado a conciliação com Judiciário irritou o presidente ao ponto de ele começar a cogitar uma saída honrosa de Weintraub do governo. Aliados de Bolsonaro afirmam que a melhor alternativa seria Weintraub deixar a pasta para evitar mais desgastes com o Supremo Tribunal Federal (STF).

Pedido de prisão I

O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) apresentou ao Supremo Tribunal Federal (STF) um pedido de prisão contra o ministro da Educação, Abraham Weintraub. O pedido foi feito ao ministro Alexandre Moraes, relator do inquérito das fake news.

Pedido de prisão II

Além da prisão temporária ou preventiva do ministro da Educação do governo Bolsonaro, Randolfe pede o seu afastamento imediato, a busca e apreensão de celulares e computadores, a quebra do sigilo de dados e a tomada de depoimento do ministro.

Desinformado

Mostrando completo desconhecimento sobre os efeitos da pandemia no País, o presidente Jair Bolsonaro afirmou que o governo “não tem informações que qualquer pessoa tenha falecido por falta de UTI ou de respiradores” e disse que há um problema na hora de notificação das mortes provocadas pela Covid-19, já que não menciona as comorbidades, ou seja, doenças relacionadas, que a pessoa tinha.

Secretário com corona

O prefeito de Natal, Álvaro Dias, disse nesta segunda-feira (15), em coletiva de imprensa, que o secretário municipal de Saúde, George Antunes, está com coronavírus. De acordo com Álvaro Dias, o secretário está com sintomas leves. O diagnóstico foi feito após um teste rápido.

Não é o momento

A ex-presidente Dilma Rousseff acredita que o cenário atual não favorece um impeachment do presidente Jair Bolsonaro. Para Dilma, a oposição ao presidente encontra “limites” que às vezes estão ligados à pauta neoliberal na economia.

Tesouro

O ministro da Economia, Paulo Guedes, já definiu quem será o substituto de Mansueto Almeida, Secretário do Tesouro Nacional, que anunciou decisão de deixar o cargo. O novo secretário, anunciado nesta segunda-feira, será Bruno Funchal, de 41 anos, atual diretor de Programas da Secretaria Especial da Fazenda.

Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - [email protected]
Comercial: (84) 98117-1718 - [email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.