Tecnologia em Natal
Projeto de escola inteligente amplia necessidade de investimento em sala de aula
Proposta do Movimento 65 Natal quer ampliar acesso de crianças e adolescentes à modernidade. Grupo de trabalho agenda encontrar com secretário de Educação do RN
Por Redação - Publicado em 22/05/2020 às 18:17
Divulgação
Auditor fiscal, engenheiro e integrante da M65 Fernando Freitas
Publicidade
A pandemia da Covid-19 que assola o mundo inteiro vem mostrando a necessidade urgente de novas medidas para a retomada das atividades comuns. O “novo normal” começa a tomar rumo com o uso intensivo da tecnologia para as diversas atribuições, sejam pessoais ou profissionais. A educação é uma das áreas mais afetadas, em razão da suspensão das aulas presenciais. Com problemas de vulnerabilidade social, o isolamento social provocou ainda mais o distanciamento de crianças e adolescentes dos cadernos e livros. Para mudar o atual sistema, uma proposta do Movimento 65 em Natal quer ampliar a necessidade de novas mídias e plataformas acessíveis aos alunos do ensino público. O modelo de “Escola Inteligente” quer implantar a tecnologia em sala de aula, mas não apenas com utilização de um laboratório de informática. Segundo o auditor fiscal, engenheiro e integrante da M65, Fernando Freitas, que é pré-candidato a prefeito na capital potiguar, a proposta vai além do uso de um computador em sala.

“Queremos levar a tecnologia para dentro da escola, tendo um modelo pedagógico voltado para a modernidade, com a valorização das aulas presenciais e com o uso de nova ferramentas pedagógicas. É termos muito mais do que um laboratório de informática. Para isso, é preciso gerar conteúdo diferenciado e buscar parcerias com entidades públicas e privadas que invistam na elaboração de aparelhos, como laptops e tablets, a baixo custo de produção”, contou.

A proposta será apresentada ao secretário de Educação do RN, Getúlio Marques, em reunião programa para a próxima semana. O encontro será acompanhado por outros integrantes do Movimento 65, do Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do RN e da União Metropolitana dos Estudantes Secundaristas de Natal.

“Vamos levar essa proposta ao professor Getúlio e também para a professora Fátima (Bezerra, governadora do RN) para movimentarmos uma articulação com empresas ou entidades como a Fiern, por exemplo, que possam viabilizar uma parceria técnica de investimento. Essa proposta também pode ser colocada em prática em nosso Município”, argumentou Fernando.

O projeto da Escola Inteligente passa pelo uso racional da internet como uma forma de construção educacional, sobretudo em regiões consideradas com baixo Índice de Desenvolvimento Humano (IDH). Para tanto, a disponibilidade de internet gratuita para a população, custeada por recursos provenientes do Imposto sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana (IPTU), torna-se uma saída para se ampliar a demanda coletiva. Fernando explica que para que isso ocorra, um plano de conciliação financeiro com os contribuintes em débito destinará parte desse valor para o projeto.

“Essa proposta deve ser levada para um bairro com baixo IDH, que em meio à situação de vulnerabilidade social, possa oferecer mais oportunidades à população, tornando-se referência para a região. Mas, é preciso elaborar um plano orçamentário das finanças em nossa cidade, com o uso de pagamentos provenientes de acordos de inadimplência do IPTU junto à Secretaria Municipal de Tributação (SEMUT) para o investimento da internet gratuita, incentivando o uso tecnológico na região.

Publicidade
Publicidade