BUSCAR
BUSCAR
Opinião
Rogério Marinho defende mais gastos e diz que país parece ter ‘faca cravada no olho’ enquanto se preocupa ‘com cisco’
Ministro do Desenvolvimento diverge de Paulo Guedes e quer aumentar obras públicas: 'Recebi missão do presidente de ter um olhar especial para o Nordeste'
OGlobo
07/08/2020 | 05:53

O ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, é hoje o principal contraponto no governo ao discurso de austeridade fiscal do titular da pasta da Economia, Paulo Guedes.

Junto com parte dos militares e de ministros próximos ao presidente Jair Bolsonaro, ele tem defendido a ampliação de gastos públicos para acelerar a recuperação da economia.

O ministro advoga, em especial, por investimentos em infraestrutura básica nas regiões Norte e Nordeste, onde o presidente busca ampliar sua base eleitoral de olho na campanha de reeleição em 2022. E cita projetos de acesso a água, como a transposição do Rio São Francisco.

Os sinais de pressão no governo por mais gastos se multiplicaram nesta semana, com a elaboração de uma consulta ao Tribunal de Contas da União (TCU) em busca de uma folga orçamentária de R$ 10 bilhões para obras e as declarações do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) ao GLOBO de que Guedes terá “que arrumar um dinheirinho” para dar continuidade a obras com impacto social e na infraestrutura.

Em entrevista ao GLOBO, Marinho admite divergências com Guedes desde o esboço do plano Pró-Brasil, com investimentos públicos em projetos de infraestrutura, que apoiou junto ao ministro da Casa Civil, Braga Neto, e que enfrentou forte resistência da equipe econômica. Mas diz achar saudável debate de ideias distintas no governo.

Ele frisa que recebeu do presidente a missão de olhar com atenção especial para o Nordeste e defende a ampliação de gastos públicos: “Parece que temos uma faca cravada no olho e estamos preocupados com o cisco”.

Leia a seguir os principais trechos da entrevista:

O senador Flávio Bolsonaro, filho do presidente, disse que o ministro da Economia, Paulo Guedes, tem que “arrumar mais um dinheirinho” para tocar obras. Por que o senhor também defende isso neste momento?

Normalmente, o Orçamento do governo federal precisa ser suplementado nos meses de julho e agosto. Temos obras hídricas importantes, como a transposição do São Francisco, de adutoras que estão sendo construídas nos diversos estados do Nordeste, do Centro-Oeste, do Norte e obras de saneamento básico por todo o país. Então, esses recursos precisam ser suplementados.

Como este é um ano excepcional, em que foi decretada uma calamidade pública e houve uma queda da atividade econômica, essa suplementação fica mais difícil porque não há excesso de arrecadação.

Nós pleiteamos e, certamente, o Ministério da Economia vai buscar uma alternativa para que as obras não sejam paralisadas e possamos evitar um prejuízo para milhões de brasileiros.

Qual é a alternativa diante do teto de gastos?

Esse é um processo que o Ministério da Economia precisa responder, que hoje abarca o Planejamento e a Fazenda. Eles têm os instrumentos e certamente vão saber usar de forma adequada porque isso é uma escala de prioridades. O presidente Jair Bolsonaro tem nos orientado de que as obras não sejam paralisadas. Acredito que o ministro Paulo Guedes e sua equipe vão encontrar uma forma dentro da lei do Orçamento.

O país terá de flexibilizar o teto de gastos?

Defendo que, durante a administração do presidente Bolsonaro, mantenhamos o teto, a Lei de Responsabilidade Fiscal, a regra de ouro. É importante como sinalização de que vamos ter austeridade fiscal e responsabilidade para manter a confiança de que o país é solvente e vai honrar seus compromissos com o mercado e os investidores.

Agora, 2020 é um ano de excepcionalidade. A calamidade foi decretada pelo Parlamento. O que interessa é que a economia continue sólida, que ela volte a crescer a partir do próximo ano para que tenha capacidade de honrar os compromissos assumidos neste ano. A partir de janeiro de 2021, defendemos que todos os instrumentos da política fiscal sejam restabelecidos, inclusive o teto.

Uma saída seria uma negociação com o TCU?

Não existe negociação. Tem que se verificar, somente para dar conforto ao próprio Ministério da Economia, se o entendimento do Tribunal de Contas é o de que aquilo que já foi definido na legislação e, posteriormente, na PEC (proposta de emenda constitucional já aprovada) da emergência, abarca a possibilidade de novas obras. É mais uma questão de conforto que de negociação.

A PEC da emergência já disse que os efeitos causados pela pandemia afetam a economia. Infraestrutura é economia? Segurança hídrica para a população, saneamento básico, tudo a ver com saúde e economia. São obras que precisam ser impulsionadas para gerar um start da economia.

Será preciso prorrogar o decreto de calamidade pública?

Há uma série de condicionantes. Estamos vivendo no que se denomina “novo normal”. Se não houver um recrudescimento da doença, o que temos que aguardar, não tem sentido continuar com esse processo de calamidade, de abertura de crédito extraordinário. Temos que voltar à normalidade.

Como está a sua relação com o ministro Paulo Guedes. Vocês entraram em rota de colisão desde o Pró-Brasil?

Temos uma relação respeitosa. É o ministro da Economia que tem protagonismo, e as decisões finais nessa área são dele. Agora, temos opiniões diferentes. É uma demonstração de que temos um ambiente vivo, saudável, porque o debate tem que acontecer, não podemos interditar.

No fim, qualquer que seja, vai ser a minha posição e a do ministro Paulo Guedes. Conversamos bastante em relação ao marco do saneamento e sobre uma série de projetos que tramitam no Congresso.

O Pró-Brasil continua de pé?

Acredito que sim, mas quem coordena o programa é o ministro Braga Netto. Ele é quem tem que falar. Fizemos a nossa parte quando fomos instados a trazer subsídios e colaborar com o Pró-Brasil. Apresentamos a nossa carteira com vários projetos no Brasil inteiro.

Aumentar o gasto em obras nesse momento não pode passar uma imagem ruim do país para os investidores?

A gente está falando de obras hídricas e saneamento. Vou repetir, nós vamos ter um déficit de R$ 800 bilhões neste ano. Estamos falando de R$ 2 bilhões a R$ 3 bilhões de acréscimo no fiscal. Parece que temos uma faca cravada no olho e estamos preocupados com o cisco.

Como responde à crítica de que é um ministro gastador?

Só posso gastar o que está no meu orçamento. Serei eficiente se executar o meu orçamento. O que interessa para a sociedade é que as obras que estão paralisadas sejam retomadas.

Não há maior desrespeito ao cidadão que paga seus impostos do que esse enorme cemitério de obras inacabadas que estão espalhadas pelo país em função dos equívocos que permearam administrações passadas. O que tenho feito aqui é racionalizar o nosso trabalho.

Estou retomando as obras paralisadas por orientação do presidente e executando o meu orçamento.

Bolsonaro criticou o Bolsa Família e agora pretende ampliar o programa criando o Renda Brasil.  Isso não o aproxima do governo do PT?

Não podemos reconstruir o país do zero e fazermos de conta que não aconteceu nada antes. O presidente tem essa sensibilidade. Em função dessa calamidade, descobrimos que existiam milhões de “invisíveis”, que não foram atendidos ao longo de décadas. De oito milhões a dez milhões de famílias precisam de algum suporte financeiro.

O que o governo vai fazer é realocar recursos públicos que perderam a razão de ser porque estão mal aplicados. Não haverá aumento do gasto público. Será feito um reordenamento do Orçamento.

Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - [email protected]
Comercial: (84) 98117-1718 - [email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.