BUSCAR
BUSCAR
Cerco
Relatório da PF conclui que Michel Temer atuou para obstruir investigações
PF também concluiu que houve crime cometido pelo ex-­ministro Geddel Vieira, por ele ter manifestado interesse em manter pagamentos a Lucio Funaro
Por Redação
26/06/2017 | 19:09

Relatório final da Polícia Federal, entregue ao STF (Supremo Tribunal Federal), afirma que o presidente Michel Temer atuou para embaraçar investigações. O documento diz ainda que Temer deixou de comunicar as autoridades sobre suposta corrupção de membros do Judiciário e do Ministério Público.

Os delegados entenderam que o presidente incentivou a continuação de pagamentos para Eduardo Cunha, ex­presidente da Câmara, no sentido de que ele ficasse em silêncio.

O relatório da PF sobre as relações de Temer com a JBS foi enviado ao tribunal na tarde desta segunda (26).

A polícia também concluiu que houve crime cometido pelo ex-­ministro Geddel Vieira Lima, por ele ter manifestado interesse em manter pagamentos a Lucio Funaro, apontado como operador de Cunha.

Sobre Temer, a PF afirma que Temer atuou “por embaraçar investigação de infração penal praticada por organização criminosa, na medida em que incentivou a manutenção de pagamentos ilegítimos a Eduardo Cunha, pelo empresário Joesley Batista, ao tempo que deixou de comunicar autoridades competentes de suposta corrupção da Magistratura Federal e do Ministério Público que lhe fora narrado pelo mesmo empresário”.

No pedido de abertura de inquérito feito ao Supremo, o procurador­geral da República, Rodrigo Janot, afirmou que Temer deu anuência para a compra de silêncio do exdeputado Eduardo Cunha e seu operador Lucio Funaro, ambos presos.

Entre outros elementos, Janot se baseou em parte de um diálogo do presidente com o empresário Joesley Batista no Palácio do Jaburu para sustentar que houve obstrução de Justiça.

O procurador­geral afirmou que, na conversa, Temer ouviu de Joesley que o ex-presidente da Câmara estava sendo pago para não falar nada e sobre o assunto respondeu: “tem que manter isso, viu?”, o que seria um aval.

A conversa divulgada à imprensa, porém, continha trechos inaudíveis. Após a fala de Temer, Batista afirmou: “Todo mês”, o que indica, segundo o empresário afirmou em seu acordo de delação premiada fechada com a PGR, acertos em dinheiro.

 

 

Fonte: Folha de SP

Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - [email protected]
Comercial: (84) 98117-1718 - [email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.