BUSCAR
BUSCAR
Inquérito
PGR vai investigar troca de comando na superintendência da PF no Rio
Rápida mudança, feita pelo novo diretor-geral da corporação, Rolando de Souza, chamou a atenção dos investigadores
Redação
05/05/2020 | 14:22

A Procuradoria-Geral da República (PGR) vai investigar os reais motivos para a troca no comando da Superintendência da Polícia Federal (PF) do Rio de Janeiro. A medida foi uma das primeiras decisões do novo diretor-geral da instituição, Rolando Alexandre de Souza.

O caso será analisado no inquérito já aberto pelo ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), que apura as acusações do ex-ministro Sergio Moro contra o presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Segundo o ex-juiz, o chefe do Executivo quer interferir politicamente na corporação.

Bolsonaro deu posse ao novo diretor-geral da PF nessa segunda-feira (4), em uma rápida cerimônia, depois que o ministro Alexandre de Moraes, do STF, barrou a nomeação de Alexandre Ramagem para comandar a PF, devido à proximidade com a família do presidente e sob as suspeitas de que haveria desvio de finalidade nessa nomeação.

Rolando convidou o superintendente da PF do Rio, Carlos Henrique Oliveira, para assumir o cargo de diretor-executivo, o número dois da corporação em Brasília, abrindo espaço para nomear outra pessoa para comandar a corporação fluminense.

A rápida troca na PF do Rio chamou atenção dos investigadores, porque o ex-ministro Sergio Moro reforçou diversas vezes em depoimento que o principal interesse de Bolsonaro era mudar o comando da PF do Rio e indicar uma pessoa de confiança. Ainda não foi divulgado o novo nome escolhido.

*Com informações do Metrópoles

Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - [email protected]
Comercial: (84) 98117-1718 - [email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.