BUSCAR
BUSCAR
Possibilidade
Para líder do PSDB, tiros na caravana de Lula podem ter sido “armação”
Deputado Nilson Leitão, líder do PSDB na Câmara, disse que ataque a tiros que atingiu dois ônibus da caravana do ex-presidente deve ter sido uma “armação” dos petistas
Agência Estado
28/03/2018 | 18:03

O deputado federal Nilson Leitão, líder do PSDB na Câmara, disse ao Estadão/Broadcast que o ataque a tiros que atingiu dois ônibus da caravana do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no Paraná deve ter sido uma “armação” dos próprios petistas.

“Não posso acreditar que alguém tenha atirado nele. Eles são capazes de tudo, inclusive de ter armado a situação para se colocar de vítima. Não acredito que alguém tenha feito isso”, afirmou o parlamentar tucano.

Ao jornal O Estado de S. Paulo,  o delegado Fabiano Oliveira confirmou que um dos ônibus da caravana foi alvejado por ao menos um tiro. “Pelo menos uma das marcas é de arma de fogo”, afirmou. “Se as outras (marcas) são, apenas a perícia irá dizer.” Oliveira é o responsável pela investigação do caso no município paranaense. Um grupo de elite da Polícia vai apurar tiros contra caravana.

Dois dos três ônibus da caravana de Lula pela região Sul foram alvejados com tiros na estrada entre Quedas do Iguaçu e Laranjeiras do Sul, no interior do Paraná. Os disparos foram relatados por integrantes da caravana do petista. Ninguém ficou ferido.

A primeira reação do governador Geraldo Alckmin foi dizer em um evento na noite desta terça-feira que os petistas “estão colhendo o que plantaram”.  Na manhã dessa quarta-feira, 28, porém, o presidenciável do PSDB recuou e postou no Twitter que  “toda forma de violência deve ser condenada”.

Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - [email protected]
Comercial: (84) 98117-1718 - [email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.