BUSCAR
BUSCAR
Vacina
Nações ricas já garantiram 1 bilhão de doses da vacina contra a Covid-19
Embora grupos internacionais e vários países prometam tornar imunizantes acessíveis a todos, doses provavelmente terão dificuldades para acompanhar a demanda em um mundo de quase 7,8 bilhões. Há riscos de que a oferta mundial seja monopolizada.
O Globo
03/08/2020 | 09:03

Os países ricos já bloquearam mais de um bilhão de doses de vacinas contra o coronavírus, levantando preocupações de que o resto do mundo esteja na parte de trás da fila no esforço global para derrotar o patógeno. As medidas dos EUA e do Reino Unido para garantir suprimentos da Sanofi e da parceira GlaxoSmithKline Plc e outro pacto entre o Japão e a Pfizer são os últimos de uma série de acordos. A União Europeia também tem sido agressiva na obtenção de vacinas, muito antes que alguém saiba se elas irão funcionar.

Embora grupos internacionais e várias nações estejam prometendo tornar as vacinas acessíveis a todos, as doses provavelmente terão dificuldades para acompanhar a demanda em um mundo de aproximadamente 7,8 bilhões de pessoas. A possibilidade de os países mais ricos monopolizarem a oferta, um cenário que ocorreu na pandemia da gripe suína de 2009, alimentou preocupações entre os países pobres e os defensores da saúde.

Até agora, os EUA, Reino Unido, União Europeia e Japão garantiram cerca de 1,3 bilhão de doses de potenciais imunizações contra a Covid-19, de acordo com a empresa de análise de Londres Airfinity. Opções para comprar mais suprimentos ou acordos pendentes adicionariam cerca de 1,5 bilhão de doses a esse total.

“Mesmo que você tenha uma avaliação otimista do progresso científico, ainda não há vacinas suficientes para o mundo”, afirmou Rasmus Bech Hansen, diretor executivo da Airfinity. “Também é importante considerar que a maioria das vacinas pode exigir duas doses”.

Alguns pioneiros na busca pela vacina, como a Universidade de Oxford, sua parceira AstraZeneca, e a colaboração Pfizer-BioNTech já estão em fase final de estudos, alimentando esperanças de que uma arma para combater a Covid-19 estará disponível em breve.

Mas os desenvolvedores ainda precisam eliminar vários obstáculos: provar que suas vacinas são eficazes, obter aprovação e aumentar a fabricação. A oferta mundial pode não atingir 1 bilhão de doses até o primeiro trimestre de 2022, prevê a Airfinity.

Investir em capacidade de produção em todo o mundo é visto como uma das chaves para resolver o dilema, e as empresas farmacêuticas estão começando a delinear planos para ampliar as doses. A Sanofi e a Glaxo pretendem fornecer uma parcela significativa da capacidade mundial em 2021 e 2022 a uma iniciativa global focada em acelerar o desenvolvimento e a produção e distribuir equitativamente as doses.

A Organização Mundial da Saúde, a Coalizão de Inovações em Preparação para Epidemias e a Gavi, a Aliança pela Vacina, estão trabalhando juntas para obter acesso equitativo e amplo. Eles delinearam um plano de US$ 18 bilhões em junho para lançar vacinas e garantir dois bilhões de doses até o final de 2021.

A iniciativa, conhecida como Covax, visa a dar aos governos a oportunidade de cobrir o risco de apoiar candidatos malsucedidos e dar a outros países com limitações financeiras o acesso a vacinas que, de outra forma, não seriam acessíveis. Se os governos colocarem seus próprios interesses em primeiro lugar, isso poderá resultar em um panorama pior para todos, permitindo que o vírus continue a se espalhar, alertam algumas autoridades.

Os países precisariam fazer uma série de acordos diferentes com as fabricantes de vacinas para aumentar suas chances de conseguir suprimentos, já que algumas doses não serão bem-sucedidas, uma situação que pode levar a batalhas e ineficiências de licitações, disse Seth Berkley, CEO da Gavi, em uma entrevista. “Nossa maior preocupação é conseguir muitos acordos”, afirmou. “Nossa esperança é que, com um portfólio de vacinas, possamos reunir os países”.

Quase 80 nações manifestaram interesse em se juntar a Covax, disse ele. Além disso, mais de 90 países e economias de baixa e média rendas poderão acessar as vacinas da Covid por meio de um programa liderado pela Gavi, informou o grupo na sexta-feira. Ainda há preocupações de que o resto do mundo possa ficar para trás. “É exatamente isso que estamos tentando evitar”, disse Berkley.

Maior investimento

A AstraZeneca se tornou em junho a primeira fabricante a se inscrever no programa da Gavi, comprometendo 300 milhões de doses, e a Pfizer e a BioNTech manifestaram interesse em fornecer potencialmente a Covax. O Brasil, o país com o segundo maior número de casos de coronavírus, também chegou a um acordo para garantir doses da vacina de Oxford com a AstraZeneca.

O governo Trump concordou em fornecer até US$ 2,1 bilhões aos parceiros Sanofi e Glaxo, o maior investimento dos EUA até agora para a Operação Warp Speed, o programa nacional de desenvolvimento e aquisição de vacinas. O financiamento apoiará ensaios clínicos e fabricação, permitindo que os EUA garantam 100 milhões de doses, caso seja bem-sucedido. O país tem a opção de receber mais 500 milhões de doses a longo prazo.

A União Europeia está fechando um acordo de até 300 milhões de doses da vacina Sanofi-Glaxo e está em discussões avançadas com várias outras empresas, segundo comunicado divulgado na sexta-feira. “A Comissão Europeia também está comprometida em garantir que todos que precisam de uma vacina a recebam, em qualquer lugar do mundo e não apenas aqui”, afirmou.

Na China, sede de alguns dos programas mais avançados, o presidente Xi Jinping prometeu transformar qualquer vacina desenvolvida pelo país em um bem público global.

Os EUA investiram em vários outros projetos. A Pfizer e a BioNTech chegaram na semana passada a um acordo de US$ 1,95 bilhão para fornecer sua vacina ao governo, caso os órgãos reguladores o cancelem. A Novavax Inc. anunciou um acordo de US$ 1,6 bilhão, enquanto os EUA prometeram até US$ 1,2 bilhão à AstraZeneca para estimular o desenvolvimento e a produção.

O investimento dos EUA para acelerar testes, ampliar a fabricação e impulsionar o desenvolvimento de vacinas é “uma ótima notícia para o mundo”, assumindo que as vacinas sejam compartilhadas, disse Berkley. “Isso ajuda a impulsionar a ciência”, disse ele. “Sou muito confiante quanto a isso. Minha preocupação é que precisamos de suprimento global”.

Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - [email protected]
Comercial: (84) 98117-1718 - [email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.