BUSCAR
BUSCAR
Garantia
Ministro diz que projeto de Lei Orçamentária Anual terá ajustes
Ele participa de audiência pública na Comissão Mista de Orçamento (CMO), na Câmara dos Deputados, onde se discute o projeto da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO)
Agência Brasil
16/06/2016 | 13:11

O ministro interino do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, Dyogo Oliveira, anunciou hoje (16) que o governo apresentará novos parâmetros macroeconômicos – como inflação, crescimento e metas fiscais – em “tempo hábil” para os ajustes necessários ao projeto de Lei Orçamentária Anual (PLOA) de 2017, que deverá ser enviado ao Congresso Nacional até o fim de agosto.

Ele participa de audiência pública na Comissão Mista de Orçamento (CMO), na Câmara dos Deputados, onde se discute o projeto da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), que estabelece metas e prioridades para o exercício. O ministro não antecipou quais os novos parâmetros.

O projeto atual de LDO foi encaminhado ao Congresso Nacional em abril. O governo federal, na ocasião, estimava um superávit primário (economia para pagar os juros da dívida) de R$ 6,788 bilhões ou 0,1% do Produto Interno Bruto (PIB, soma dos bens e serviços produzidos em um país) para o setor público consolidado em 2017. Os estados e municípios ficam responsáveis pela totalidade dessa economia; para o Governo Central (Tesouro Nacional, Previdência Social e Banco Central), está previsto superávit primário zero.

Parâmetros

O senador Romero Jucá (PMDB-RR) ressaltou, na audiência, que o relator da projeto da LDO, senador Wellington Fagundes (PR-MT), e a equipe econômica terão um trabalho muito grande para fazer os ajustes nos parâmetros e metas. Jucá destacou que obviamente não se tem como sair de um déficit primário de R$ 170,5 bilhões para um superavit primário zero, como previsto na proposta de LDO 2017. O ministro interino do Planejamento destacou que haverá a proposta de revisão dos parâmetros macroeconômicos e das metas ante a uma nova realidade fiscal. Declarou que propôs à comissão que a audiência que está sendo realizada nesta quinta-feira (16) acontecesse no fim do mês para as atualizações, mas, por questão de agenda, não foi possível.

Dyogo Oliveira também afirmou que, na nova realidade fiscal, é necessário trabalhar com a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que limita o aumento do gasto público à variação da inflação apresentada a parlamentares da base aliada ontem (16) pelo presidente interino, Michel Temer. A proposta já foi protocolada na Câmara dos Deputados.

Gastos

A PEC define que a fixação do teto para os gastos tenha validade por 20 anos, a partir de 2017, com a possibilidade de revisão da regra a partir do décimo ano de vigência. Pela medida, os gastos públicos totais serão reajustados com base na inflação oficial do ano anterior.

O ministro interino do Planejamento lembrou que o objetivo da política econômica não é [simplesmente] fazer cortes, mas levar equilíbrio às contas públicas. “A partir de uma base, poderemos construir outros edifícios”, disse. A meta é trazer para a sociedade brasileira a capacidade de passar a investir e crescer, acrescentou.
Durante a audiência sobre a LDO, o ministro interino do Planejamento disse que o mais é importante reverter a trajetória e aumentar a qualidade dos gastos públicos.

Ele demostrou que a evolução das despesas primárias passou de 14%, em 1997, para 20,14% em 2016. Mesmo com as mudanças previstas na LDO, o ministro lembrou que o projeto em vigor tem prioridades como o Programa Minha Casa, Minha Vida, a construção de Unidades Básicas de Saúde, de creches e a manutenção rodoviária, além do programa Brasil sem Miséria, o Bolsa Família e iniciativas ligadas à assistência social.

Enfatizou que alterações orçamentárias e delegação para abertura de créditos propostas para 2017 buscam a melhoria e a agilidade na execução da despesa. As regras para pessoal e benefícios visam conferir maior rigidez no controle das despesas, pois proíbem, entre coisas, a admissão de novos servidores, com exceções com a substituição de servidores terceirizados e concursados.

Sede: Rua dos Caicós, 2305-D, Nossa Sra. de Nazaré. Natal/RN | CEP: 59060-700
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - [email protected]
Comercial: (84) 98117-1718 - [email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.