BUSCAR
BUSCAR
São Paulo
Menina de 2 anos entra em penitenciária com três baterias no intestino
De acordo com a administração a mãe já havia passado pela revista e esperava a liberação da filha, quando o alarme do detector de metais disparou
José Maria Tomazela/ O Estado de S.Paulo
29/08/2017 | 15:58

Uma menina de 2 anos foi flagrada com três baterias cilíndricas em seu intestino quando tentava entrar, acompanhada pela mãe, na visita a um detento na Penitenciária de Junqueirópolis, interior de São Paulo. A criança foi barrada quando passava pelo detector de metais. Exames de raio-X apontaram os objetos no interior do corpo. A abordagem aconteceu no domingo, 26, mas o caso foi apresentado à Polícia Civil nesta terça-feira, 29. O delegado Victor Biroli vai investigar a participação da mãe ou outros responsáveis pela criança no caso.

De acordo com a Secretaria da Administração Penitenciária (SAP), a mãe já havia passado pela revista e esperava a liberação da filha, quando o alarme do detector de metais disparou. Como ela não portava nenhum objeto metálico, os agentes fizeram indagações à mãe, que não soube explicar o fato. Com autorização da mulher, a criança foi levada para exame de raios-X no Pronto Atendimento Municipal. As imagens mostraram claramente as peças metálicas no intestino da garotinha. Logo depois a menina foi ao banheiro e evacuou as baterias cilíndricas, com oito milímetros de diâmetro.

A SAP apurou que os objetos seriam entregues ao companheiro da mãe da criança que está preso na penitenciária. A mãe alegou que nada sabia sobre o acontecido, mesmo assim teve o direito às visitas suspenso temporariamente. De acordo com a Secretaria, o sentenciado envolvido foi encaminhado ao pavilhão disciplinar da unidade, como determina a legislação. Eventual cumplicidade dele com o caso será investigada. A Polícia Civil também vai apurar se a mãe induziu a filha a engolir as baterias, caso em que será indiciada por maus tratos e por submeter a criança a risco.

Outro caso

A companheira de um dos presos tentou entrar no Centro de Detenção Provisória (CDP) II de Guarulhos, sábado, 26, levando um chip de celular preso à mão do filho de dois anos. A mulher passava pelo portal detector de metais com a criança no colo, quando o alarme disparou. Os agentes constaram que a criança estava com a mão fechada e tinha o chip fixado na palma. A mulher foi excluída do rol de visitas e levada à delegacia da Polícia Civil. Um procedimento disciplinar apura eventual cumplicidade do preso que receberia o objeto.

Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - [email protected]
Comercial: (84) 98117-1718 - [email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.