BUSCAR
BUSCAR
Marmitas
Justiça bloqueia bens de delegado que prendeu o Japa da Federal em 2003
Ministério Público acusa Joaquim Mesquita, atual secretário do governo goiano, de envolvimento em esquema de venda de marmitas
Por Redação
24/05/2017 | 21:15

Em 2003, o delegado da Polícia Federal Joaquim Mesquita cumpriu mandados de prisão contra 22 agentes da PF, acusados de facilitar o contrabando na fronteira do Brasil com o Paraguai. Um dos presos era o agente Newton Ishii, que, anos mais tarde, ficaria famoso por comandar a carceragem da Polícia Federal em Curitiba. Por aparecer sempre ao lado de figurões presos na Lava Jato, não demorou para Ishii ganhar o apelido de Japa da Federal. Em julho de 2015, a Época revelou que Ishii chegou a ser expulso da corporação. Tempos depois, Ishii foi reintegrado à PF e, agora, está perto de se aposentar.

Os bens do algoz de Ishii, o delegado Joaquim Mesquita, foram bloqueados pela Justiça do estado de Goiás nesta semana. Ele é acusado pelo Ministério Público do estado de se envolver num esquema fraudulento de venda de marmitas para o presídio de Aparecida de Goiânia, na região metropolitana da capital goiana. Mesquita atualmente é secretário de Gestão e Planejamento do governo de Marconi Perillo (PSDB). O contraventor Carlinhos Cachoeira também é um dos alvos dessa mesma investigação.

Em resposta ao jornal O Popular, de Goiânia, sobre a decisão da Justiça que bloqueou seus bens, Mesquita afirmou: “No momento certo, apresentarei a defesa ao Judiciário com a certeza de que a correção da decisão administrativa será reconhecida pela Justiça”. Afirmou, também, que, em 2011, ele não era secretário quando a licitação para a compra das refeições foi lançada.

 

 

Fonte: Época

Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - [email protected]
Comercial: (84) 98117-1718 - [email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.