BUSCAR
BUSCAR
Ministro interino
Forças Armadas pressionam governo a resolver questão de Pazuello
Forças Armadas querem saber se ele será efetivado como ministro da Saúde ou se retorna para o serviço ativo do Exército
CNN Brasil
14/07/2020 | 19:18

As Forças Armadas pressionam o Palácio do Planalto e o ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello, para que decidam se ele será efetivado no cargo na pasta ou se retorna para o serviço ativo do Exército.

O movimento cresceu depois que o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes apontou em uma live no sábado que “o Exército se associou a um genocídio” ao ter um general da ativa no cargo. A reação das forças foi dura, com nota e uma representação na Procuradoria-Geral da República contra Gilmar. Mas internamente o Exército sabe que a situação chegou ao limite.

A avaliação é a de que a interinidade de Pazuello no cargo se estendeu além do esperado. Ele assumiu como secretário-executivo na pasta no dia 22 de abril. E como interino no dia 16 de maio. Assim, já são quase três meses que ele deixou o posto de comandante da Amazônia, um dos mais prestigiados do Exército.

A interlocutores, ele tem dito que não pretende assumir o ministério e prefere voltar ao Exército, mas que esse movimento tem de partir do comandate supremo das Forças Armadas o presidente Jair Bolsonaro.

No Palácio do Planalto, a ideia era a de que ele ficasse até agosto, mas o debate já foi retomado e há possibilidade de uma troca ocorrer ainda neste mês.

Pazuello disse em conversas recentes não ter apego ao cargo. De acordo com relatos feitos à CNN, o general da ativa deixou claro que sua intenção é voltar à atividade militar para alcançar as quatro estrelas, topo da carreira. 

Há também uma insatisfação no Congresso com Pazuello. Embora o ministro interino tenha dado agilidade a demandas dos estados e municípios, líderes do Legislativo têm dito que o general não respeita um acordo no repasse de verbas.

Apesar da pressão pela saída de Pazuello, uma ala do governo tem defendido cautela. A avaliação desse grupo é a de que o expurgo do general neste momento pode ser visto como uma consequência das declarações e Gilmar Mendes.

Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - [email protected]
Comercial: (84) 98117-1718 - [email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.