BUSCAR
BUSCAR
Crime cibernético
Clonagem de celular pode gerar golpes de até R$ 10 mil por vítima
Mais de 5 mil chips, incluindo SIM cards de figuras públicas e empresários famosos, foram clonados por um grupo brasileiro de cibercriminosos
Redação
17/04/2019 | 22:28

 O SIM swap, conhecido popularmente como “clonagem dos chips do celular”, é uma fraude que está sendo amplamente utilizada por cibercriminosos no País. Essa técnica é um recurso legítimo e utilizado quando um smartphone é perdido ou roubado, e permite ao dono da linha ativar o número em outro chip. Os golpistas, porém, estão constantemente enganando as operadoras de celular para fazer a portabilidade do número do dispositivo roubado para um novo chip.

Uma investigação conjunta entre a Kaspersky Lab e o CERT de Moçambique, descobriu que esse tipo de ataque é muito comum também no mundo todo, sendo usado pelos cibercriminosos não apenas para roubar credenciais e capturar senhas de uso único (OTPs) enviadas por SMS, mas também para roubar dinheiro das vítimas.  

Os pagamentos móveis tornaram-se muito populares, especialmente em mercados emergentes, como África e América Latina, onde os consumidores podem facilmente depositar, sacar e pagar bens e serviços usando seus dispositivos móveis. Porém, eles também estão sendo alvos de uma onda de ataques, e as pessoas estão perdendo dinheiro em fraudes de clonagem de chips em grande escala.

O golpe começa com a coleta de dados das vítimas por meio de e-mails de phishing, engenharia social, vazamentos de dados ou até pela compra de informações de grupos criminosos organizados. Depois de obter os dados necessários, o cibercriminoso entra em contato com a operadora móvel, passando-se pela vítima, para que ela faça a portabilidade e ative o número do telefone no chip do fraudador. Quando isso acontece, o telefone da vítima perde a conexão (voz e dados) e o fraudador recebe todos os SMSs e chamadas de voz destinados à vítima. Assim, todos os serviços que dependem da autenticação de dois fatores ficam vulneráveis.

Para se ter uma ideia, somente no Brasil um grupo organizado de cibercriminosos conseguiu clonar o chip de 5 mil vítimas, envolvendo não apenas pessoas comuns, mas também políticos, ministros, governadores, celebridades e empresários famosos. Em Moçambique um golpe causou prejuízo de US$ 50.000 a um empresário, roubados de suas contas bancárias, já no Brasil foram identificadas diversas fraudes de R$ 10 mil cada. Porém, é difícil estimar o impacto total desse tipo de ataque na América Latina, África e no mundo, pois a maioria dos bancos não divulga as estatísticas publicamente.

Na África, o maior banco de Moçambique registrou uma média mensal de 17,2 casos de fraude por clonagem de chips. Tal situação levou bancos e operadoras no país a adotar uma solução simples, porém eficaz no combate à fraude. Eles desenvolveram um sistema integrado de consulta em tempo real que possibilitou zerar os casos de fraude no país.

A investigação também mostrou que, em alguns casos, o alvo pretendido é a própria operadora de celular. Isso acontece quando funcionários da operadora não conseguem identificar um documento fraudulento e permitem que o fraudador ative um novo chip. Outro grande problema são os funcionários corruptos, recrutados pelos cibercriminosos, que pagam de 40 a 150 reais por chip ativado. No entanto, o pior tipo de ataque ocorre quando um cibercriminoso envia um e-mail de phishing com o objetivo de roubar as credenciais do funcionário para ter acesso direto ao sistema da operadora. Quando isso acontece, o cibercriminoso consegue realizar um ataque em duas ou três horas sem muito esforço.

“O interesse dos cibercriminosos nas fraudes de SIM swap é tão grande que alguns até vendem este serviço para outros criminosos. Os fraudadores atiram em todas as direções; os ataques podem ser direcionados ou não, mas qualquer pessoa pode ser vítima. Tudo o que o criminoso precisa é do número do celular, que pode ser obtido facilmente pesquisando vazamentos de bancos de dados, comprando bancos de dados de empresas de marketing ou usando aplicativos que oferecem serviços de bloqueio de spam e identificação do chamador. Na maioria dos casos, é possível descobrir o número do seu celular com uma simples busca no Google”, explica Fabio Assolini, analista sênior de segurança da Kaspersky Lab e corresponsável pela pesquisa.

Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - [email protected]
Comercial: (84) 98117-1718 - [email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.