BUSCAR
BUSCAR
Investigação
Cervejaria investigada em caso de intoxicação fala em indício de sabotagem
Vídeo com supostos indícios de sabotagem em barris de composto químico comprados de um fornecedor será investigado
Estadão Conteúdo
18/01/2020 | 08:42

A cervejaria Backer, investigada após casos de intoxicação, levou esta semana à Justiça Federal vídeo com supostos indícios de sabotagem em barris de composto químico comprados de um fornecedor, de nome não revelado. O material ainda vai passar por análise. A Vigilância Sanitária de Contagem, na Grande Belo Horizonte, fechou uma fornecedora da Backer. A Imperquímica foi lacrada por falta de alvará sanitário e por fracionar produtos químicos sem aval.

A Backer é alvo de apuração por um suposto elo entre a cerveja contaminada – pelo composto químico dietilenoglicol, segundo análises da Polícia Civil de Minas e do Ministério da Agricultura – e casos de intoxicação em pessoas que ingeriram a bebida. Segundo balanço do governo mineiro, já foram registrados 19 pacientes com essa suspeita, incluindo quatro mortes.

Por decisão da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), todos os rótulos da cervejaria, com data de validade igual ou posterior a agosto de 2020, foram interditados ontem. A Backer disse que vai respeitar a determinação.

O envio pela Backer de gravação que levanta suspeitas sobre um fornecedor é citado em decisão da magistrada Anna Cristina Gonçalves, da 14.ª Vara da Justiça Federal de BH. A fábrica, escreveu ela, apresentou “vídeo supostamente contendo indícios de sabotagem nos barris de monoetilenoglicol por ela adquiridos junto ao seu fornecedor. Todavia, não cabe a análise dessa questão na via estreita do mandado de segurança, mormente porque a presente impetração dirige-se contra ato coator específico, atribuído aos representantes do Ministério da Agricultura”.

Nessa liminar, a juíza permitiu o retorno parcial do funcionamento da Backer, com o envase de tanques não lacrados e relativos a marcas que não sejam a Belorizontina e a Capixaba, primeiras a terem a contaminação detectada por análise.

Em nota, a Backer disse que “teve acesso a um vídeo cujo conteúdo poderia estar relacionado com as investigações em curso”. A empresa diz, porém, que ainda “não está em posse do material, uma vez que ele foi repassado imediatamente à Polícia Civil. A Backer reforça que é a principal interessada na apuração dos fatos e que o objetivo é auxiliar e contribuir sem restrições com as autoridades”.

Interdição

Segundo a prefeitura de Contagem, a Imperquímica, fornecedora da Backer, fracionava produtos para venda, o que “não está contemplado pelo alvará” da empresa. Para isso, diz a Vigilância Sanitária, seriam necessárias obras onde a Imperquímica funciona A Polícia Civil cumpriu mandado de busca e apreensão anteontem na empresa. Foram recolhidas amostras da produção e documentos. O Estado não localizou a Imperquímica ontem.

A Backer tem dito que compra só o monoetilenoglicol, usado na refrigeração da produção, e não o dietilenoglicol, primeiro composto a ser identificado em lotes da Belorizontina. Uma das hipóteses de técnicos do ministério é que a segunda substância pode ter sido formada por reação química a partir do monoetilenoglicol. Nenhum dos produtos pode ser consumido ou misturado à bebida. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Av. Hermes da Fonseca, N° 384 - Petrópolis, Natal/RN - CEP: 59020-000
Redação: (84) 3027-1690
[email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.