BUSCAR
BUSCAR
Coronavírus
Brasil levou 4 meses para atingir 1 milhão de casos – e apenas 1 mês para dobrar
País ultrapassou a marca de 2 milhões de infectados nesta quinta (16). Há fatores que permitem a suspeita de uma elevada subnotificação
CNN Brasil
16/07/2020 | 19:23

O Ministério da Saúde confirmou nesta quinta-feira (16) que o Brasil atingiu 2 milhões de casos da Covid-19. Segundo a pasta, são 2.012.151 casos, um acréscimo de 45.403 nas últimas 24 horas. As mortes totalizam 76.288, com 1.322.

O segundo milhão foi registrado em uma velocidade muito mais rápida do que o primeiro, que levou quatro meses para ser alcançado. Faz menos de 30 dias desde que o país confirmou seu milionésimo caso da doença do novo coronavírus.

De acordo com a Universidade Johns Hopkins, o Brasil e os Estados Unidos são os únicos dois países a terem chegado as setes casas em diagnósticos confirmados. Os números mais recentes da universidade afirmam que os EUA possuem 3,5 milhões de casos da doença. Com 968 mil casos, a Índia é o país que mais se aproxima na dianteira.

Em suas últimas apresentações, o secretário de Vigilância em Saúde do ministério, Arnaldo Correia de Medeiros, vem sustentando que o Brasil se aproxima do “platô”, quando os casos e mortes param de se acelerar – e, portanto, podem começar a cair.

De acordo com os números da pasta, nas últimas duas semanas epidemiológicas o país registrou em torno de 37 mil casos e 1.030 novas mortes por dia. Apesar disso, a pasta afirma que a situação não é homogênea no Brasil, sendo que essa média resulta do saldo entre alguns estados ainda em alta e outros em baixa.

As novas mortes por Covid-19 aumentaram 36% na região Sul e 26% na região Centro Oeste, as que haviam sido menos afetadas no início da doença. Os estados que estão em viés de alta em casos e em mortes são sete: Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Minas Gerais, Mato Grosso, Goiás, Tocantins e Pernambuco.

Subnotificação

É preciso ponderar que os números refletem os casos confirmados, as pessoas que se submeteram a testes e receberam o resultado positivo. Há fatores que permitem a suspeita de uma elevada subnotificação.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) afirma que a taxa média de infectados pela Covid-19 no mundo gira em torno de 17% das pessoas que se submeteram a testes. Portanto, a positividade no Brasil, acima de 30%, indicaria que o Brasil ainda testa pouco. 

Números do Ministério da Saúde, divulgados na quarta-feira e consolidados no último dia 11, colocam a positividade brasileira em um intervalo de 28,4% (testes RT-PCR na rede privada) a 49,4% (testes Eclia, uma das modalidades de exames sorológicos).

Mortes

O boletim da quarta-feira marcou a superação da marca de 75 mil mortos pela Covid-19. A elevação das mortes também se acelerou: entre a morte número 1 (17 de março) e a 35 mil (5 de junho) foram 2 meses e meio. As 35 mil mortes seguintes levaram pouco mais de um mês (10 de julho).

O Ministério da Saúde sustenta que o Brasil, apesar de ser o segundo país onde mais pessoas morreram pela doença, ocupa uma “posição” menor quando se faz a análise de forma proporcional.

Os números divulgados pela pasta colocam o país como o 10º proporcionalmente com mais casos (9.359 a cada 1 milhão) e o 11º com mais mortes (359 a cada um milhão de habitantes). A comparação envolve países de dimensões muito diferentes.

Com 2,7 milhões de habitantes, o Catar seria o país com a maior incidência média, com 36 mil casos a cada milhão. Dois estados brasileiros têm médias maiores: Roraima (39 mil casos/milhão) e Amapá (38 mil casos/milhão).

O governo federal também enfatiza o número de recuperados. O Brasil é o país que registra o maior número de pessoas que contraíram e se curaram da Covid-19 – 1,25 milhão segundo a pasta da Saúde. Trata-se de uma estimativa, que trata de 63,8% dos infectados.

Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - [email protected]gorarn.com.br
Comercial: (84) 98117-1718 - [email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.