Publicidade
Dicas
Verão exige aplicação de protetor solar a cada duas horas, diz especialista
Dermatologista Daniela Maia revelou que método de bronzeamento baseado na alta exposição ao sol não é recomendado; hidratação e aplicação de protetores são prioridades
José Aldenir / Agora RN
Ficar muito tempo num só dia na praia não é recomendado

O verão no Rio Grande do Norte tende a ser mais quente do que o normal em 2019. Há previsões colocando cidades potiguares com chances de atingirem até 38ºC de temperatura em algum momento da estação. Com isso, os cuidados com a pele devem ser redobrados para que enfermidades não surjam com a força dos raios solares.

Em entrevista ao programa Manhã Agora, da Rádio 97,9 FM nesta quinta-feira, 24, a dermatologia Daniela Maia deu várias dicas sobre como se prevenir dos problemas no verão. A primeira delas foi quanto a hidratação. Segundo a especialista, existem duas formas cruciais para manter o corpo hidratado: ingerindo muita água e fazendo uso dos hidratantes comuns.

Daniela Maia, dermatologista, durante entrevista na Agora FM 97,9. (Foto: José Aldenir / Agora RN)

“Essa hidratação é importante que seja feita das duas maneiras para evitar qualquer tipo de problema. Então, faz-se necessário se manter hidratado tanto via oral como também na pele”, disse Maia, que destacou, ainda, a importância do uso de protetor solar. “É recomendado usá-lo de 2 em 2 horas, principalmente no rosto e nas partes que ficam mais expostas”.

Essas dicas, inclusive, devem ser seguidas por todos. Não há especificidades para tom de pele, como muita gente acredita, a menos que existam problemas já diagnosticados. No caso do fator de proteção, que varia em cada produto, aí sim depende da tonalidade do indivíduo, embora quem tem pele morena não esteja isento da necessidade do uso do protetor.

“Quem é branco e tem olhos claros precisa ter muita atenção para usar um fator de proteção maior, que atenda às suas necessidades. No entanto, as pessoas com peles mais morenas, que tenham, por exemplo, um problema como melasma, precisa ter preocupação parecida a fim de não piorar o quadro da enfermidade”, explicou Daniela.

Nas praias, onde a incidência do sol é muito mais forte, a especialista destacou que, além dos protetores e hidratantes, podem ser usados alguns adereços para ajudar no combate aos raios, como chapéus e roupas apropriadas. “Importante, também, ficar sempre sob local coberto, se protegendo da força do sol”, completou.

Neste período, além do câncer de pele, que é o problema mais comum e mais abordado pelos especialistas, outras enfermidades também podem surgir devido ao calor. Maia destacou as aparições de brotoejas (bolinhas avermelhadas na pele), melasma (manchas escuras no rosto e em algumas partes do corpo), bem como alguns tipos de micoses que podem prejudicar a saúde humana.

Por fim, a especialista falou sobre bronzeamento, algo que é muito cobiçado sobretudo pelas mulheres. De acordo com ela, exposição excessiva ao sol não é uma maneira inteligente de se alcançar esse objetivo. “É recomendado que, ao invés de passar o dia todo na praia, a pessoa vá mais de uma vez em horários menos quentes. O resultado será bom e menos danoso a pele”, concluiu.

Publicidade
Publicidade