Novidade
Produto que mata as larvas do Aedes aegypti é lançado no Brasil
Ele vem na forma de tabletes, funciona por 60 dias e acaba com o inseto por trás de dengue, zika e chikungunya
Divulgação/SAÚDE é Vital
O produto já está aprovado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Na última década, mais de 12 milhões de brasileiros foram diagnosticados com dengue, doença transmitida por uma picada do Aedes aegypti. Como se não bastasse, o mesmo mosquito começou a ser o culpado por outras infecções no nosso país, como o zika e o chikungunya – e ainda há o temor de a febre amarela, por ora restrita aos ambientes silvestres, migrar para as cidades e ser mais um vírus que depende desse inseto para circular no meio urbano.

Nesse verdadeiro cenário de guerra, surge uma nova estratégia para combater essa ameaça tripla (quase quádrupla): a empresa BR3, do Centro de Inovação, Empreendedorismo e Tecnologia (Cietec) da Universidade de São Paulo, começou a vender recentemente o DengueTech, um comprimido que é colocado em recipientes que tenham água parada, como vasos de plantas, calhas, flores grandes e cascas de árvores.

Após algum tempo, o tablete se dissolve e libera uma série de proteínas e bactérias da espécie Bacillus thuringiensis israelensis, conhecida pela sigla BTI. Esse micro-organismo mata as larvas do Aedes que se aproveitam daquele espaço. “Esse agente biológico não agride o ambiente, não permite que o mosquito desenvolva uma resistência à sua ação e ainda é recomendado pela Organização Mundial da Saúde”, lista o engenheiro Rodrigo Perez, da BR3.

O produto, que já está aprovado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), é resultado de três décadas de pesquisa da Fundação Oswaldo Cruz, no Rio de Janeiro. “Eles fizeram um trabalho colossal de coletar e estudar inúmeras cepas de bactérias da biota brasileira até descobrirem as potencialidades da BTI”, destaca Perez. Após todo esse período na bancada do laboratório e uma série de ensaios científicos, o composto está finalmente disponível para a população.

 

 

Fonte: Revista Saúde