sábado,
Preocupação
Mais descanso e menos antibiótico: a receita para evitar superbactérias
Persiste no Brasil uma 'cultura do antibiótico', em que pacientes esperam receber o remédio e em que médicos banalizam sua prescrição
Ilustração
Para diminuir seu uso, médicos e pacientes precisam restringir seu uso a casos graves

“Existe uma tendência enorme à medicalização no Brasil. As pessoas têm qualquer sintoma e querem um remédio. Sabemos que uma gripe vai demorar cerca de sete dias para passar, mas as pessoas querem remédio para encurtar isso”, afirma Ana Escobar, médica do Instituto da Criança do Hospital das Clínicas e livre docente em Pediatria da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.

Em outubro, o Ministério da Saúde do Reino Unido recomendou aos médicos do país que receitassem mais descanso e menos antibióticos aos pacientes. De acordo com o órgão, cerca de um quinto dos antibióticos naquele país são usados desnecessariamente, para doenças que seriam curadas sozinhas.

No Brasil, um dos países que mais contribuiu para o aumento global do consumo de antibióticos na última década, ainda não há uma recomendação oficial do tipo, mas médicos alertam para a importância de frear o consumo desses remédios para evitar a expansão de superbactérias.

“Os números referentes à evolução da resistência antimicrobiana são assustadores”, diz Luiz Henrique Melo, médico infectologista e consultor da empresa farmacêutica MSD, que gere programas para a racionalização no uso de antibióticos.

“A resistência a antibióticos é um dos fenômenos que pode levar a um colapso econômico. Parece banal, mas há um custo enorme no uso extensivo dos antibióticos”, complementa Melo.

Um estudo encomendado pelo governo britânico no ano passado aponta que 700 mil pessoas morrem todos os anos vítimas de bactérias resistentes no mundo e que, se nada for feito nas próximas décadas, esse número pode saltar para 10 milhões.

Pacientes e médicos

Pacientes não devem esperar sempre pela prescrição de antibióticos, e os médicos têm o papel de explicar ao enfermo o porquê da prescrição ou não, afirma Melo. “Precisa munir o paciente de todos os argumentos necessários para ele entender que não prescrever trará benefícios no curto e longo prazo”, diz o infectologista.

Se a resistência antimicrobiana não for contida, cirurgias de alta complexidade, transplantes e quimioterapia, por exemplo, podem se tornar impraticáveis. “A grande questão é que se você usar antibiótico de uma forma inadequada você irá perdê-lo, porque as bactérias ficarão resistentes com o tempo. Isso se reflete em doenças mais difíceis de curar, em mais internação e em mais custos de saúde”, afirma.

Por isso, pacientes podem contribuir para a solução do problema ao não buscar por antibióticos sem necessidade. “São constante as ligações no consultório de pessoas que reclamam de gripe e, porque irão viajar, querem remédio”, relata Escobar.

Do lado dos médicos, há uma “pressão” para que receitem antibióticos, principalmente em postos de saúde, onde os profissionais tratam emergências e não fazem um acompanhamento periódico do paciente. “O médico nessa situação trata caso a caso, e há uma tendência exagerada à prescrição. Se o paciente está com secreção purulenta, o médico já dá antibiótico”, diz Escobar.

 

 

Fonte: BBC