Disputa
“Vivemos um clima de muito ódio”, diz cientista político Homero Costa
Professor universitário culpa a beligerância das candidaturas envolvidas na disputa eleitoral pelo acirramento dos ânimos entre os eleitores brasileiros
Acervo pessoal
Homero Costa, professor da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN)

O cientista político Homero Costa, professor da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), avalia que o primeiro turno das eleições no Brasil foi marcado pela intolerância e violência nas redes sociais. O especialista culpa a beligerância das candidaturas envolvidas na disputa eleitoral pelo acirramento dos ânimos entre os eleitores brasileiros.

“Vivemos um clima de muito ódio nas redes sociais. É um momento de muita intolerância. O grande mérito da democracia é aceitar a opinião do outro”, disse ele, em entrevista para a rádio 94 FM.

Segundo ele, um dos efeitos do clima belicoso durante as eleições foi a ausência de debates sobre propostas e programas de governo ao longo do primeiro turno para a Presidência. “O segundo turno apresenta a oportunidade para que os candidatos debatam assuntos como saúde, segurança, educação, energia e outros temas que não foram debatidos até agora”, reforça.

Ainda de acordo com o cientista político, outro aspecto a ser analisado nas eleições deste ano foi o aumento do número de votos nulos, brancos e das abstenções. “A descrença na política e a desconfiança nos partidos se expressaram nas eleições deste ano”, finaliza.