Seriedade
Raimundo Mendes diz que chegou a hora de pensar mais antes de votar
A afirmação deve-se ao infindável número de denúncias de corrupção, lavagem de dinheiro e improbidade administrativa que assolam o país em ano eleitoral
José Aldenir/Agora Imagens
Raimundo Mendes participa de debates pelo Estado

Pré-candidato a deputado federal e presidente do PMB no Rio Grande do Norte, o vereador Raimundo Mendes deixou claro que chegou o momento de pensar muito mais antes de escolher um candidato nas eleições de outubro. Para Mendes, muitos eleitores foram enganados, mas em boa parte dos casos os políticos envolvidos já eram reincidentes em processos na justiça.

“O eleitor precisa de informar do passado e do presente do candidato, pois assim terá moral para exigir alguma coisa”, disse Raimundo Mendes, que esteve esta semana em Parnamirim e João Câmara, participando de debates em meios de comunicação. Na condição de advogado, Mendes quer trabalhar na humanização dos serviços para a população de baixa renda, que é quem precisa de governo. “O Estado precisa parar de eleger playboys que pouco fazem pela população. Essa eleição será diferente. Vou pedir aos eleitores que analisem bem os candidatos”, disse Mendes, que está visitando municípios da região do Mato Grande.

Segundo Mendes, o município de Fernando Noronha era do Rio Grande do Norte e foi mandado para Pernambuco e nunca um deputado falou nada. “Outra injustiça é dizer que o Brasil foi descoberto em Porto Seguro, na Bahia, quando todo mundo sabe que foi no Rio Grande Norte”, critica Mendes. Para ele, os livros estão mentindo porque nossos políticos, neste caso, estão calados.

Hoje, em sua avaliação, o Brasil precisa de um pacto federativo, porque a vida está no município. Raimundo Mendes pretende implantar o programa “Água para Todos”, em parceria do governo federal com os municípios. “Basta o governo federal enviar máquinas perfuratrizes e as prefeituras cavarem os poços. Temos água no subsolo. A Petrobras descobriu bacias aquíferas. Quero trabalhar para levar água à casa das pessoas no sertão, ao invés de um carro-pipa”, frisou Mendes, que vai apresentar proposta para redistribuição dos royalties da produção de energia eólica, para que os municípios sejam oxigenados com mais recursos.