Governo MDB
Prefeito Álvaro Dias elenca prioridades da sua gestão: saúde e pavimentação
Prefeito do emedebista também promete trabalhar 'de corpo e alma' pela eleição de Carlos Eduardo no Governo do RN
Álvaro Dias (José Aldenir)
José Aldenir / Agora Imagens
Álvaro Dias assumiu a Prefeitura na terça-feira, dia 10, em evento cercado por autoridades

Saúde e pavimentação, que também é uma questão de saúde. Essas são as duas prioridades elencadas pelo novo prefeito de Natal, Álvaro Dias, para a gestão que se iniciou na terça-feira, 10, e se tudo correr regularmente, vai até 31 de dezembro de 2019. Álvaro Dias também prometeu controlar as contas públicas e fazer uma administração técnica. “O nosso estilo administrativo é o mesmo de Carlos Eduardo. Vamos procurar usar uma equipe técnica. De político lá, apenas eu”, prometeu ele, que quase não fez nenhuma alteração no secretariado.

Sobre as prioridades, saúde será a primeira. “É uma das questões que as pessoas mais cobram, mais necessitam e vamos procurar priorizar isso aí”, afirmou ele, em entrevista a 96fm, acrescentando que a segunda será pavimentação, por também influenciar na saúde das pessoas. “Natal é uma cidade que chove bem e quando chove, a lama que se instala provoca desconforto, danos à saúde pública. E também no período do verão, porque a poeira pode provocar gripe, pneumonia e uma série de desconforto a saúde das pessoas”, avaliou.

O novo prefeito também afirmou que viaja para Brasília já na terça-feira, onde será recebido pelos senadores José Agripino (DEM) e Garibaldi Filho (MDB). “Vou procurar acelerar e agilizar processos com relação a essa área na gestão municipal”, explicou.

POLÍTICA

Álvaro Dias também afirmou em entrevista que vai se dedicar de corpo e alma a campanha do prefeito Carlos Eduardo Alves (PDT) ao Governo. “Vou me dedicar como se fosse a minha campanha”, garantiu. O parlamentar também antecipou que vai lançar o filho, Adjuto Neto, para deputado estadual. “Será candidato porque houve uma reunião das lideranças que nós apoiaram, querendo manter uma pessoa a cadeira que ocupamos”, afirmou.