Eleição 2018
Para Garibaldi, “tempo” inviabiliza candidaturas de Temer e Meirelles no MDB
Senador emedebista também descartou apoiar Bolsonaro ou ex-presidente Lula e, para ele, nem Alckimin tem 'decolado' nas pesquisas de intenção de voto
Garibaldi Filho na posse de Álvaro Dias, primeiro prefeito do MDB em Natal após quase 30 anos
José Aldenir / Agora Imagens
Garibaldi Filho afirma que Temer tem pouco tempo para "colher frutos"

O presidente da República, Michel Temer (PMDB) comemorou nesta terça-feira, 15, no Palácio do Planalto os dois anos de sua gestão. É provável, também, que essa comemoração marque o último “maio” do PMDB na chefia do Governo Federal. Afinal, a sigla vive um momento de incertezas sobre a disputa eleitoral deste ano e a reeleição de Temer não é unanimidade nem dentro da sigla. Um dos que desconfiam da viabilidade eleitoral do presidente, inclusive, é o senador potiguar Garibaldi Alves Filho.

Recentemente, em entrevista, Garibaldi afirmou que Temer realizou reformas importantes para o país, mas “se você me disser que ele tem condições de, num tão curto espaço de tempo, colher frutos dessa ação dele, no que toca a isso, a gente está vendo que não está sendo fácil”. “O tempo é muito curto”, acrescentou o parlamentar.

Segundo Garibaldi, inclusive, fica inviável definir destinos para o partido nacionalmente porque os principais nomes que poderiam ser defendidos não têm “decolado” nas pesquisas. “Não existe (uma definição sobre o pleito eleitoral), porque o que existe é uma expectativa de que o candidato pudesse ser Michel Temer ou o ex-ministro (Henrique) Meirelles. Acontece que o tempo está conspirando contra esses projetos”, avaliou.

“Geraldo Alckmin poderia ser uma alternativa. Mas até ele não está conseguindo decolar como nós esperávamos”, ressaltou o senador, descartando, também, qualquer possibilidade de apoiar Jair Bolsonaro (PSL) e um eventual nome da esquerda, como o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).