sábado,
Defesa
Medidas de Robinson são consideradas duras, mas são inevitáveis, afirma Garibaldi
Na semana passada, Garibaldi e outros 9 parlamentares potiguares participaram de uma reunião com Robinson e a equipe econômica do governo para discutir os efeitos da crise econômica e fiscal
Garibaldi Alves Filho, senador
José Aldenir / Agora Imagens
Senador Garibaldi Alves Filho (PMDB) disse que medidas parecem ser o melhor caminho

O senador Garibaldi Alves Filho (PMDB) classificou como “inevitáveis” as medidas de ajuste fiscal anunciadas pelo governador Robinson Faria (PSD) para sanar as contas públicas. Um pacote com dezoito projetos foi encaminhado pelo Executivo para a Assembleia Legislativa, que aceitou nesta quinta-feira, 11, a convocação extraordinária.

“As medidas anunciadas parecem ser o melhor caminho. Apesar de serem consideradas duras por alguns setores, elas são inevitáveis”, afirmou o senador, em nota encaminhada por sua assessoria ao Agora RN.

Na semana passada, Garibaldi e outros 9 parlamentares potiguares participaram de uma reunião com Robinson e a equipe econômica do governo para discutir os efeitos da crise econômica e fiscal no Rio Grande do Norte.

No encontro, a gestão estadual apresentou as medidas, que, entre outros pontos polêmicos, prevê o aumento da alíquota de contribuição previdenciária dos servidores e do próprio governo, para controlar o déficit previdenciário – que, segundo a Secretaria de Planejamento e Finanças, era de R$ 132 milhões mensal em janeiro de 2017.

Os deputados e senadores presentes (apenas o deputado Felipe Maia, do DEM, não compareceu) se comprometeram em auxiliar o governo em duas frentes: uma em Brasília, pressionando a União a liberar recursos emergenciais para o estado, e outra a nível local, convencendo deputados estaduais aliados a aprovarem as medidas que precisam de autorização legislativa.

“A bancada federal está ciente da real situação, se colocando à disposição do Governo do Estado para ajudar no que for possível. Estamos confiantes que o RN vai sair desta situação, apesar da gravidade. Não é momento de falar em política, pois exige união de toda a bancada e de todos”, finalizou o senador.