Coalizão
Grupo de 7 partidos no RN quer dar chance a “caras novas”, diz Getúlio Batista
Com foco apenas no pleito proporcional (eleições para deputados), a aliança já conta com mais de 50 adeptos. Além de PTB, PPS e PMB, a aliança conta com Avante, PEN, PMN e PRP
Getúlio Batista -PTB- Superitendente Ministério da Agricultura RN (56)
José Aldenir/Agora Imagens
Presidente estadual do PTB, Getúlio Batista

Eleger entre 3 e 4 deputados estaduais e pelo menos 1 federal. Este é o principal objetivo de um grupo de sete partidos que têm articulado a formação de uma chapa conjunta para disputar as próximas eleições no Rio Grande do Norte. Com foco apenas no pleito proporcional, a aliança já conta com mais de 50 adeptos.

O presidente estadual do PTB, Getúlio Batista, diz que a coalizão partidária começou a ser esboçada ainda no ano passado, a partir de diálogos entre ele, Wober Júnior (presidente estadual do PPS) e Naélson Borja (presidente do PMB Natal). Segundo Getúlio, depois da aprovação da reforma política é que outros partidos se aproximaram. “Quando o Congresso definiu efetivamente que as coligações iriam ser permitidas na próxima eleição, criamos a frente”, afirma ele, que também deve disputar uma cadeira na Assembleia Legislativa.

Além de PTB, PPS e PMB, a aliança conta com Avante, PEN, PMN e PRP. No último dia 3, a primeira reunião ampla do grupo aconteceu em Natal. O objetivo do encontro, da qual participaram cerca de 20 pré-candidatos, foi dar início à formação de estratégias para a campanha.

“A intenção do grupo é ser forte na proporcional, tanto que nós ainda não conversamos sobre a eleição para o Governo do Estado. Não é que a gente não se preocupe com o pleito, mas queremos eleger 3 ou 4 estaduais e 1 federal. Sábado foi a primeira reunião com os pré-candidatos, mas foi a sétima do grupo”, afirma o líder do PTB.

Segundo Getúlio, a pretensão dos líderes do grupo é proporcionar aos candidatos igualdade na disputa. “Estamos dando prioridade a não aceitar candidatos com mandato e queremos fichas limpas. O discurso é de uma política diferente, para atender ao ‘novo’. Estamos dando oportunidade a caras novas, para quem quer realmente mudar a política”, conclui.