Publicidade
Entrevista
Decidirei sobre candidatura no “momento oportuno”, diz Álvaro Dias
Questionado nesta terça-feira, 14, durante o seminário Motores do Desenvolvimento, sobre o assunto, o prefeito declarou que, se a eleição fosse hoje, ele não iria para a disputa
José Aldenir / Agora RN
Prefeito de Natal, Álvaro Dias (MDB)

O prefeito de Natal, Álvaro Dias, ainda não decidiu se será candidato à reeleição em 2020. Focado na administração e no planejamento de medidas para ajustar as finanças do Município, Álvaro deixou os debates sobre a eleição para o “momento oportuno”.

Questionado nesta terça-feira, 14, durante o seminário Motores do Desenvolvimento, sobre o assunto, o prefeito declarou que, se a eleição fosse hoje, ele não iria para a disputa. Nessa entrevista ao Agora RN, Álvaro comenta ainda sobre aspectos de sua administração e sobre parcerias administrativas e políticas com a governadora Fátima Bezerra.

Confira na íntegra:

AGORA RN – Como a Prefeitura do Natal tem administrado as áreas de arte e cultura?

ÁLVARO DIAS – A Prefeitura do Natal tem priorizado a arte e a cultura. Há grandes eventos patrocinados e proporcionados, como o Natal em Natal. É um grave evento, com grandes shows. A Árvore de Natal já se consolida como uma grande atração turística para nossa cidade. Tem também o Carnaval Multicultural, que movimentou este ano R$ 71 milhões na nossa economia e ocupou 90% da rede hoteleira. Além disso, há outros eventos que estamos programando, como o São João. Vamos realiza-lo em breve para movimentar nossa economia e fazer com o que a arte e a cultura possam funcionar como motores do desenvolvimento para nossa cidade, gerando emprego e renda.

AGORA – Como será o formato do São João em Natal este ano?

AD – Trata-se de um evento novo, que estamos instalando pela primeira vez. Vai se concentrar na Arena das Dunas. Vamos fazer um grande São João, bem divulgado, para que ele possa se consolidar como evento dentro da estratégia da Prefeitura do Natal de fazer com que eventos possam trazer mais turistas, gerando emprego e renda para a cidade.

AGORA – Diante do cenário de crise, a Prefeitura do Natal estuda fazer contingenciamentos?

AD – A Prefeitura tem feito contenção de despesas durante todo o tempo em que estou à frente do Poder Público. Todos sabem as dificuldades que nós herdamos dentro da conjuntura de crise nacional que se instalou no Brasil. Durante esse tempo, toda a prioridade tem sido – e temos conseguido – manter os salários em dia. É uma grande lástima ter de atrasar o salário do funcionalismo, que trabalha o mês todo e chega no fim do mês querendo receber o salário. Vamos continuar fazendo mais contenção de despesa.

AGORA – As medidas sugeridas pela Fundação Dom Cabral (consultoria em gestão) começaram a ser implementadas?

AD – A Fundação Dom Cabral fez um estudo e elencou uma série de medidas – mais de 200. Nós estamos paulatinamente as instalando na Prefeitura, para que possamos conter gastos e termos um fluxo de caixa que permita, além de pagar o funcionalismo público, produzir e realizar obras em favor do povo.

AGORA – Os recentes cortes anunciados pelo governo federal afetaram convênios com a Prefeitura do Natal?

AD – Na verdade, nós tínhamos uma emenda coletiva no valor de R$ 24 milhões para construir o Terminal Turístico na Redinha. E aí, dentro do contingenciamento que o governo federal fez, houve a penalização. Em vez do corte proporcional, houve o corte maior na emenda que vinha para Natal. Vamos receber R$ 8 milhões para construir o Terminal. Vamos ver o que vamos fazer, se dividimos a obra, se fazemos aos poucos… Mas vamos iniciar com o que foi destinado para cá.

AGORA – O projeto sofrerá readequações?

AD – É isso o que estamos fazendo. Reunimos a equipe na Secretaria de Obras Públicas e Infraestrutura para refazer o projeto, para readequá-lo, para que com esses R$ 8 milhões nós possamos construir alguma coisa – que seja iniciada e concluída. (A ideia) É fazer algo menor, mais modesto, e esperar que a bancada federal, que penalizou nossa cidade, cortando de maneira drástica, nos recompense na próxima investida, na próxima destinação de emendas.

AGORA – O senhor já decidiu se será candidato à reeleição?

AD – Se fosse hoje, eu não seria candidato à reeleição. Não sei com o passar do tempo… Mas eu não estou preocupado com isso. Estou muito envolvido com a administração, me dedicando de corpo e alma, porque é um desafio muito grande. Eu não tenho pensado nisso realmente.

AGORA – Como está seu relacionamento político com a governadora Fátima Bezerra?

AD – Eu tenho uma boa relação política com a governadora. Inclusive, ontem (segunda-feira, 13) tivemos uma reunião para fazer uma parceria do Governo do Estado com a Prefeitura. Quando se somam esforços, se somam recursos, as despesas para cada um diminuem e você pode realizar mais em favor do povo. Vamos realizar alguns eventos em parceria, como o Congresso Brasileiro dos Agentes de Viagem, que vai trazer em torno de 2 mil pessoas a Natal. Também teremos a Campus Party, que vai trazer as inovações tecnológicas mais recentes do mundo todo para Natal. Pelo bom relacionamento que temos, esperamos que outros momentos surjam.

AGORA – Há chance de uma aliança entre o senhor e Fátima nas eleições de 2020?

Eu acho que sim. A princípio, eu não analisei essa possibilidade porque, como eu disse, se a eleição fosse hoje, eu não seria candidato. Mas, pelo bom relacionamento, poderemos vir a caminhar juntos. Mas vai depender muito. É uma pergunta inapropriada para o momento, porque não existe uma definição sobre se serei ou não candidato à reeleição. Vamos deixar para decidir no momento oportuno.

AGORA – O senhor espera contar com o apoio do ex-prefeito Carlos Eduardo Alves (2013-2018)?

AD – Vou buscar o apoio, se eu for candidato à reeleição. Como eu disse, não decidi ainda, então não posso saber com quem vou me aliar ou não. Eu tenho um bom relacionamento com Carlos Eduardo. São mais de 30 anos de amizade. Fomos deputados estaduais juntos na Assembleia. Eu sou prefeito hoje porque ele acreditou e confiou em mim. Se resolver ser candidato, vou buscar um diálogo com o ex-prefeito.

AGORA – Nas conversas que o senhor tem tido com a governadora, ela tem colocado a possibilidade de apoiar a sua candidatura ou tem sustentado que o PT terá candidato próprio?

AD – Em nenhum momento tratei desse assunto com a governadora. Nem com Carlos Eduardo, nem com ninguém.

Publicidade
Publicidade