terça,
Tudo em casa
Carlos Eduardo emprega na Prefeitura filha e marido de líder de seu governo
Juntos, Henrique e Maria Helena, parentes de Nina Souza (PEN), custam aos cofres da prefeitura, por mês, quase R$ 13 mil. O salário do marido é de R$ 7,2 mil brutos, enquanto a filha ganha R$ 5,5 mil
nina souza carlos eduardo
Reprodução/Instagram
Prefeito Carlos Eduardo (PDT) e vereadora Nina Souza (PEN)

Líder do prefeito Carlos Eduardo Alves (PDT) na Câmara, a vereadora Nina Souza (PEN) tem pelo menos dois parentes próximos empregados na Prefeitura de Natal. O marido e uma filha da vereadora possuem cargos comissionados na gestão municipal desde o início do ano, quando Nina assumiu seu assento no Legislativo.

Os atos de nomeações de Henrique Ezequiel de Souza Neto (marido de Nina) e Maria Helena Araújo de Souza (filha) foram publicados no Diário Oficial do Município (DOM) nos dias 9 de fevereiro e 15 de março, respectivamente.

A primeira portaria de nomeação foi a do marido da vereadora. Em ato assinado pelo prefeito e pela secretária Adamires França, de Administração, no dia 8 de fevereiro (publicado um dia depois no DOM), Henrique Ezequiel foi nomeado para ser coordenador de projetos especiais, cargo comissionado ligado à Secretaria Municipal de Governo (SMG), pasta atualmente liderada por Homero Grec.

A segunda contratação por meio de cargo comissionado foi a de Maria Helena. A filha da vereadora foi nomeada para o cargo de assessora técnica do Instituto de Previdência Social dos Servidores de Natal (NatalPrev).

Juntos, Henrique e Maria Helena custam aos cofres da Prefeitura de Natal, mensalmente, quase R$ 13 mil. O salário do marido de Nina, segundo informações do Portal da Transparência, é de R$ 7,2 mil brutos, enquanto a filha da vereadora ganha exatos R$ 5,5 mil brutos.

Nina Souza se tornou líder do governo Carlos Eduardo na Câmara no final de julho, depois que o vereador Ney Lopes Júnior (PSD), então líder, teve de assumir interinamente a presidência do Legislativo. Ney, por sua vez, foi deslocado para o posto por causa do afastamento do presidente Raniere Barbosa (PDT), investigado na operação “Cidade Luz”.