Resposta
Guarda Municipal emite nota de repúdio contra despacho inusitado de delegado
No documento, delegado, usou termos como 'cagalança' e 'arriar o barro' para dizer que não havia provas contundentes contra o suspeito detido
José Aldenir / Agora RN
Guarda Municipal de Natal afirmou que despacho atentou contra a imagem da instituição

O Comando Geral da Guarda Municipal do Natal (GMN) divulgou nota repudiando o despacho emitido pelo Delegado de Polícia Civil, Aldo Lopes de Araújo, da Polícia Civil, acerca de um suspeito que supostamente teria tentado furtar dois refletores de LED do Centro Municipal de Educação Infantil (CMEI) Marluce Carlos de Melo, mas que, na visão do delegado, havia pulado o muro apenas para defecar.

Nesta quinta-feira, 8, viralizou nas redes sociais o vazamento do despacho do delegado, que nele utilizou termos como “cagalança”, “arriar o barro” e “esvaziar o intestino grosso” para expor que não havia provas contundentes contra o suspeito detido.

A Guarda Municipal de Natal, cujos agentes efetuaram a prisão do suspeito, afirmaram que o despacho do delegado “agride gratuitamente” a imagem da instituição. Confira na íntegra a nota de repúdio, e logo depois a reprodução do despacho do delegado Aldo Lopes de Araújo:

1 – O Boletim de Ocorrência nº J2018018001429 (objeto do despacho) tem na sua identificação o Tipo de FURTO, ou seja, o cidadão foi detido e conduzido pela GMN a Delegacia de Plantão da Zona Norte sob suspeita de ser o autor do furto de dois refletores de LED pertencentes ao Centro Municipal de Educação Infantil (CMEI) Marluce Carlos de Melo;

2- Diante do fato, a GMN deteve o suspeito dentro das instalações do CMEI e o conduziu juntamente com o material do furto a Delegacia de Polícia Civil de Plantão da Zona Norte, seguindo o procedimento legal de entregar o detido a autoridade competente da Polícia Judiciária para que a mesma conduza as investigações referente ao caso, objeto de sua competência institucional;

3- Ressaltamos que o despacho do Delegado de Polícia Civil Aldo Lopes de Araújo agride gratuitamente e sem nenhuma razão a imagem institucional da GMN, corporação essa que ao longo dos seus 27 anos de existência zela pela relação harmônica e parceira entre as instituições de segurança pública, sempre atuando dentro da legalidade, respeito a legislação e aos direitos humanos, na busca de contribuir com construção de cenário social onde a segurança e o direito do cidadão sejam perenes;

4- Por fim, o Comando Geral da GMN reafirma a toda sociedade que cada um de nossos agentes e todo o nosso aparato institucional continua com firmeza pronto e apto a atender o cidadão natalense, zelando pela segurança, pela cidadania e pelo bem comum da nossa sociedade.