Perigoso
O desmaio em cães e gatos é perigoso e o tutor precisa saber como agir
O desmaio em cães pode ter diferentes causas, todas elas representam problemas que precisam ter uma atenção especial do tutor
Ilustração
Assim como os humanos, animais também podem passar por desmaios

Se você já desmaiou ou já viu alguém passar por isso na sua frente sabe que ocorre uma perda momentânea da consciência, os músculos relaxam e ficam sem movimento, ou seja, a pessoa perde o poder de reação por algum tempo. A situação é bastante desesperadora e a adrenalina faz com que fique difícil saber o que é o mais certo a fazer. Com os animais não é diferente e neles o desmaio também pode ser chamado de síncope.

O desmaio em cães pode ter diferentes causas, todas elas representam problemas que precisam ter uma atenção especial do tutor. A mais comum delas são as falhas no coração, ou seja, alguma arritmia ou doença no músculo do órgão, o que afeta no bom funcionamento de todo o sistema corporal. Mas existem outros fatores como:

Doenças neurológicas: dentro dessa condição há uma lista de doenças e pode ser considerada a que possui diagnóstico mais difícil. Mudanças de comportamentos podem estar atreladas ao fato de o animal desmaiar .

Hipoglicemia: quando o animal está com uma baixa taxa de açúcar no sangue, o que faz com que ele fique fraco, sonolento e com batimentos cardíacos lentos. Qualquer esforço maior pode ser a causa para o desmaio, já que o cérebro não recebe energia o bastante para manter seu funcionamento. Assim, as perdas de consciência podem ocorrer como um modo de o próprio corpo do animal tentar preservar o seu cérebro.

Anemias: nos animais essa doença é a diminuição da quantidade de glóbulos vermelhos, as células que transportam sangue para todos os órgãos, essa situação é bastante preocupante e deixa o bichinho bastante abatido. As células cerebrais entram em hipóxia, sofrendo por não receber oxigênio e provocando a perda da consciência do animal. A hemorragia também caracteriza falta de oxigênio.

Distrição respiratória: é uma alteração nos movimentos de respiração, geralmente ela se torna muito ofegante e prejudica a chegada e distribuição de oxigênio.

A causa propriamente dita do desmaio só é concluída a partir da análise de um veterinário. Isso envolve uma avaliação com um cardiologista, assim como consultas com neurologistas e hematologistas também podem ser indicadas para se obter um diagnóstico ainda mais preciso.

Se um episódio desse ocorrer, é fundamental que se busque um hospital veterinário bem estruturado, com boas condições de receber um cão ou gato que tenha apresentado o quadro. Deve inclusive contar com médicos veterinários capacitados para identificar as causas do problema e indicar o melhor tratamento.

Como socorrer o pet desmaiado

O primeiro passo é não se desesperar. Não adianta dar leves tapas no rosto do animal ou jogar um pouco de água. A solução mais eficaz é levá-lo até o veterinário mais próximo, para isso mantenha o pescoço dele estendido, para que os canais respiratórios estejam livres e ele retorne a consciência o mais rápido possível.

Tratamento

Para tratar o problema, podem ser indicados procedimentos com o uso de oxigênio, soros e medicações. Exames de imagem como ultrassonografia, radiografia, tomografia e ressonância magnética dão ainda mais certeza do que fazer nessa situação. Além disso, exames de sangue e a avaliação do coração do animal por meio de eletrocardiograma e ecocardiograma também auxiliam a saber o motivo e como agir depois do desmaio.

Maior probabilidade

Determinadas raças de cães como Schnauzer, Poodle, Pastor Alemão, Boxer, Dogue Alemão, São Bernardo e Doberman, entre outras, podem ter mais tendência para os problemas de saúde que causam o desmaio. Entre os felinos, as raças de origem asiática tendem a ser mais afetadas. Claro que isso não exclui a possibilidade de outras raças ou SRDs serem afetados.

 

 

Fonte: iG