"Pão Nosso"
Lava Jato: PF prende delegado e ex-secretário de Sérgio Cabral
Foco da operação, batizada de 'Pão Nosso', são supostas irregularidades na Secretaria de Administração Penitenciária do Rio
Tânia Rêgo/Agência Brasil
Um delator da operação disse que o ex-governador Sérgio Cabral recebia parte da propina, mas sem um percentual fixo

Policiais federais estão nas ruas na manhã desta terça-feira (13) para cumprir mandados de prisão em uma nova fase da Lava Jato do Rio.

O foco da operação, batizada de “Pão Nosso”, são supostas irregularidades na Secretaria de Administração Penitenciária do estado. Pela primeira vez, o Ministério Público Estadual participa da ação.

Um dos alvos de mandados de prisão é o ex-secretário da pasta César Rubens de Carvalho, que é coronel da Polícia Militar. Ele foi comandante de batalhões na região metropolitana e esteve à frente da secretaria também durante parte do mandato do atual governador, Luiz Fernando Pezão (MDB).

Outro suspeito é Marcelo Martins, que hoje chefia o Departamento de Polícia Especializada da Polícia Civil fluminense. O setor engloba importantes delegacias estaduais, como a do aeroporto internacional e a de crimes contra a Fazenda.

Segundo o Ministério Público do Estado, havia um esquema que desviava recursos de um contrato de lanches oferecidos no sistema penitenciário do Rio. Os prejuízos aos cofres públicos são estimados em R$ 44,7 milhões.

A investigação apontou que Carvalho era sócio do pai de Marcelo Martins na empresa Intermundos, tida como ponte para receber propina do esquema, e que o patrimônio do ex-secretário aumentou dez vezes enquanto esteve à frente da pasta.

Um delator da operação disse que o ex-governador Sérgio Cabral recebia parte da propina, mas sem um percentual fixo.

A apuração começou a partir do projeto Pão-Escola, de ressocialização de detentos. Os procuradores afirmam que a empresa Induspan, de Felipe Paiva, que também teve a prisão pedida, fornecia lanches acima do valor de mercado e ainda recebia insumos do estado para a produção de pães. O contrato foi rescindido, mas Paiva continuou atuando na secretaria por meio de uma organização civil chamada Iniciativa Primus, ainda de acordo com a investigação.

A Polícia Federal informou que são cumpridos 14 mandados de prisão preventiva e dez de prisão temporária. As ordens partiram tanto do juiz federal Marcelo Bretas, responsável pela Lava Jato no Rio, quanto da 35ª Vara Criminal do Tribunal de Justiça do estado.

OUTRAS INVESTIGAÇÕES

César Rubens de Carvalho é mais um secretário da gestão de Sérgio Cabral (MDB) a ser preso na Lava Jato. Antes dele, já tinham sido detidos Régis Fichtner (Casa Civil), Sérgio Côrtes (Saúde), que foram soltos, Hudson Braga (Obras) e Wilson Carlos (Governo).

Em meio à intervenção federal no Rio, esta é a maior investigação da Lava Jato fluminense na área da segurança, que está desde fevereiro sob o comando das Forças Armadas.

Contratos antigos da Secretaria de Administração Penitenciária já vinham sendo objeto de investigação de promotores e da nova direção da pasta.

Em janeiro, a Justiça mandou afastar o então secretário estadual Erir Ribeiro Costa Filho após a divulgação de supostos privilégios ao ex-governador Sérgio Cabral (MDB) na cadeia pública de Benfica, no Rio.

Assumiu David Anthony, que é delegado da Polícia Civil fluminense, e que foi mantido no cargo mesmo com a intervenção federal na área da segurança no estado.

 

 

Fonte: Com informações da Folhapress