Denúncia
Igreja Universal usa escolas municipais para ‘‘atendimento espiritual’
Na ação civil pública, a promotora Gláucia Santana elenca nove pontos que foram abordados durante as investigações
Brenno Carvalho / Agência O Globo
Crivella corre o risco de ser afastado do cargo

Na ação civil pública movida ontem à noite contra o prefeito Marcelo Crivella (PRB), por improbidade administrativa, o Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) apontou o uso de escolas públicas municipais para promover a Igreja Universal do Reino de Deus (Iurd). As diretoras das escolas CIEP Ministro Gustavo Capanema, na Maré, e Escola Municipal Joaquim Abílio Borges, no Humaitá, ambas da rede pública municipal, informaram, em depoimento à promotora Gláucia Santana, da 5ª Promotoria de Justiça de Tutela Coletiva da Cidadania, que pastores da Igreja Universal pediram para usar o espaço escolar para ‘ações sociais’ da igreja.

Segundo os relatos, os eventos incluíram exames de audiometria, corte de cabelo, dentista, massagens de shiatsu, elaboração de documentos e assistência espiritual, entre outros serviços. Além disso, houve colocação de “banners” da Igreja Universal nas escolas bem como o uso de uniformes com o logotipo da igreja pelos organizadores e a distribuição de panfletos.

Na ação civil pública, a promotora Gláucia Santana elenca nove pontos que foram abordados durante as investigações, entre eles a reunião secreta no Palácio da Cidade, revelada por O GLOBO com exclusividade; a realização de censo religioso na Guarda Municipal e a concessão de títulos de utilidade pública para igrejas.

Diante da ação, Crivella corre o risco de ser afastado do cargo caso não cumpra com as liminares propostas pelo MPRJ. Se condenado, o prefeito pode ser obrigado a pagar uma multa de R$ 500 mil, além de perder o mandato e ter os direitos políticos suspensos.

 

 

Fonte: Extra