quarta,
Retorno
Misto de sentimentos marca saída dos militares brasileiros do Haiti
Cerca de 978 militares brasileiros se preparam para retornar, a desmobilização do efetivo teve início no último dia 26, as ações, no entanto, continuam
Marcello Casal/Arquivo/Agência Brasil

A pouco mais de três meses para o fim da Missão de Estabilização da Organização das Nações Unidas (ONU) no Haiti, os últimos 978 militares brasileiros a participar da chamada Operação Minustah (abreviatura do nome da missão, em francês) se preparam para retornar ao Brasil, experimentando um misto de sentimentos e a expectativa de que o povo haitiano conheça tempos melhores.

Segundo a Resolução 2.350/2017, aprovada pelo Conselho Segurança das Nações Unidas em abril deste ano, todo o efetivo militar empenhado na missão deve deixar o país gradualmente, até 15 de outubro, quando a operação será oficialmente encerrada. A partir desta data, a Organização das Nações Unidas (ONU) instituirá sua Missão de Apoio à Justiça (Minujusth) naquele que é considerado o país mais pobre das Américas e um dos mais carentes do mundo.

A desmobilização do efetivo teve início no último dia 26. As ações, no entanto, continuam. O Batalhão de Infantaria brasileiro, por exemplo, vem ajudando no mapeamento dos locais mais suscetíveis a desastres naturais. O conhecimento prévio destes locais é extremamente importante caso o país caribenho volte a ser atingido, por exemplo, por um furacão, fenômeno comum entre os meses de junho e novembro. Segundo dados da ONU, o Haiti é o país com o maior número de vítimas fatais por catástrofes naturais.

Os brasileiros de “capacetes azuis” (usados pelos militares que integram a missão de paz) também tocaram obras de engenharia importantes para a reconstrução do Haiti. Para se ter uma ideia, entre os 978 militares do atual contingente brasileiro no país, 120 integram a Companhia de Engenharia de Força e Paz. Ao longo dos anos, a companhia participou de inúmeras ações com vista à melhoria da infraestrutura nacional e das condições de vida dos haitianos, como a construção de escolas, orfanatos, hospitais, unidades de polícia e estradas e outras instalações militares, além da perfuração de poços artesianos, regularização de terrenos e remoção de escombros e de entulho.

Já os 850 membros do Batalhão de Infantaria continuam encarregados da missão de manter um ambiente seguro e estável, realizando patrulhas, escoltando comboios, fiscalizando o movimento nas principais estradas e avenidas haitianas e dando a segurança necessárias às demais ações humanitárias.

Por outro lado, ao participar de uma audiência pública na Câmara dos Deputados, no último dia 5, o comandante do Exército, general Eduardo Dias da Costa Villas Bôas, disse que, embora a participação militar no Haiti seja um caso de sucesso junto a ONU, “talvez o maior caso de êxito em missões de paz”, o Brasil deixou de aproveitar as oportunidades econômicas decorrentes dos esforços empenhados.

“Chegamos [ao Haiti] desavisados e perdemos enormes oportunidades porque pouco conseguimos aportar e criar [em termos de] oportunidades para as empresas brasileiras. Também negligenciamos trazer lideranças haitianas para o Brasil, para se capacitarem”, comentou o comandante ao defender a importância de uma maior integração entre as Forças Armadas, o serviço diplomático brasileiro e a área econômica no tocante a assuntos estratégicos militares.

Segundo dados do Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal, de 2004 até o fim de 2016, o Brasil investiu cerca de R$ 2,5 bilhões na Minustah. Cerca de R$ 431,3 milhões foram reembolsados pela ONU.