Processo
Juiz pede prisão preventiva para Cristina Kirchner por receber propina
Juiz federal argentino Claudio Bonadio processou a senadora e ex-presidente da Argentina, Cristina Kirchner, por fazer parte de uma associação ilícita
AFP PHOTO / EITAN ABRAMOVICH / TO GO WITH AFP STORY
Ex-presidente da Argentina, Cristina Kirchner

O juiz federal argentino Claudio Bonadio processou a senadora e ex-presidente da Argentina, Cristina Kirchner, por fazer parte de uma associação ilícita que cobrava propinas a empresários que ganhavam contratos com o país no caso conhecido como “Cadernos dos Subornos”.

De acordo com a agência de notícias Associated Press e com a imprensa local argentina, Bonadio também pediu pela prisão preventiva da ex-presidente, mas o Senado precisa aprovar a detenção da senadora, já que ela possui foro privilegiado.

Bonadio considerou Cristina Kirchner como uma das organizadoras da associação ilícita junto com seu marido, o ex-presidente Néstor Kirchner, e o ex-ministro de Planejamento Federal Julio De Vido. Também foram processados uma dezena de ex-funcionários kirchneristas e empresários de setores como obras públicas, energia e transporte. Entre os empresários processados está Angelo Calcaterra, primo do atual presidente da Argentina, Maurício Macri.

Bonadio condenou Cristina Kirchner pelos crimes de “associação ilícita na qualidade de chefe, admissão de presentes em 22 atos e suborno passivo em cinco atos” entre 2003 e 2015, período que inclui os mandatos de Cristina e de Néstor Kirchner. O juiz também decretou o bloqueio de 4 bilhões de pesos (o equivalente a quase US$ 100 milhões).