Publicidade
Conflito
Guaidó diz ter apoio de militares contra Maduro e chama população às ruas
Líder opositor publicou vídeo nas redes sociais gravado de uma base aérea de Caracas no qual diz ter o apoio de 'valentes soldados' para acabar com a 'usurpação de poder'
REUTERS / Carlos Garcia Rawlins
Juan Guaidó, cumprimenta militar perto da base aérea La Carlota, em Caracas; ele diz ter apoio de militares contra Maduro

O líder opositor e autoproclamado presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, anunciou nesta terça-feira, 30, que conta com o apoio de um grupo de militares para restaurar a democracia e “acabar com a usurpação de poder” – como os antichavistas se referem ao governo de Nicolás Maduro -, em um vídeo gravado de uma base aérea de Caracas e publicado nas redes sociais.

Na mensagem publicada nas redes sociais, Guaidó convocou outros militares a se juntarem a seu movimento e pediu que a população saia às ruas, “de forma pacífica” para apoiar sua reivindicação. “Hoje, valentes soldados, valentes patriotas, valentes homens apegados à Constituição vieram ao nosso chamado. Nós também viemos ao chamado, definitivamente nos encontraremos nas ruas da Venezuela”, disse o líder opositor.

O governo Maduro chamou a iniciativa de Guaidó de uma “tentativa de golpe de Estado”. “Neste momento estamos enfrentando e desativando um grupo reduzido de militares traidores que se posicionaram na distribuidora Altamira para promover um golpe de Estado”, escreveu no Twitter o ministro da Comunicação, Jorge Rodríguez, que se referiu ao caso como uma “tentativa” e acusou a “direita golpista”.

O ministro de defesa da Venezuela, Vladimir Padrino López, disse que o clima é de “normalidade” nos quartéis. “(As Forças Armadas) se mantém firmes na defesa da Constituição e de suas autoridades legítimas. Todas as unidades militares nas oito Regiões de Defesa Integral relatam normalidade em seus quartéis e bases militares, sob liderança de seus comandantes naturais”, afirmou o militar.

Iniviativa opositora

No vídeo publicado na internet, Guaidó convocou às ruas todos aqueles venezuelanos que se comprometeram nas últimas semanas a se manifestar para exigir a saída de Maduro. “Contamos com o povo da Venezuela hoje. As Forças Armadas estão claramente do lado da Constituição, leais ao povo da Venezuela, ao futuro e ao progresso”, disse.

“São muitos os militares. A família militar deu o passo, de uma vez por todas. A todos os que estão nos escutando: é o momento, o momento é agora, não só de calma, mas de coragem para seguirmos adiante. Vamos recuperar a democracia e a liberdade na Venezuela”, disse Guaidó.

“Como presidente da Venezuela, como legítimo comandante-chefe das Forças Armadas, convoco todos os soldados, toda família militar, a nos acompanhar nesta façanha como sempre fizemos, no marco da Constituição, no marco da luta não violenta”, disse Guaidó em um vídeo no qual aparece acompanhado pelo líder opositor Leopoldo López.

López, líder do partido Vontade Popular (VP), disse que foi libertado nesta terça-feira em Caracas, onde cumpria uma pena em regime de prisão domiciliar por liderar os protestos contra Maduro em 2014, como consequência de “um movimento militar e civil”.

Por telefone, o pai de López afirmou à Associated Press que espera uma resposta militar e popular depois do chamado feito pelos opositores.

“Veremos um chamado para acabar com a usurpação (da presidência) e, bem, eu espero que o governo usurpador acabe hoje”, disse.

Leopoldo López, condenado a 14 anos de prisão pelos protestos anti-governamentais de 2014, estava em prisão domiciliar. Nas redes sociais, ele afirmou que foi libertado pelos militares que apoiam Guaidó.

Publicidade
Publicidade