Publicidade
Terrorismo
Explosões em hotéis e igrejas matam mais de 150 no Sri Lanka
Fiéis celebravam missa de Páscoa no momento das explosões; motivação para os ataques não foi divulgada
Eranga Jayawardena / AP
Militares protegem igreja Saint Anthony após explosões em Colombo, capital do Sri Lanka

Pelo menos 187 pessoas morreram em uma série de atentados com explosivos contra quatro hotéis de luxo, três igrejas e um complexo de casas no Sri Lanka, onde fiéis celebravam a missa de Páscoa neste domingo, 21. Entre os mortos, nove são estrangeiros, segundo as últimas informações. Há aproximadamente 469 feridos. O governo decretou estado de emergência em todo o país e impôs toque de recolher por tempo indeterminado, temendo novos ataques.

As primeiras explosões aconteceram de forma coordenada em pelo menos três hotéis de luxo de Colombo, capital de Sri Lanka, em uma igreja também da capital e outra em Katana, zona oeste do país. A terceira igreja atingida fica em Batticaloa, na zona leste da ilha, segundo Ruwan Gunasekara, porta-voz da polícia do Sri Lanka.

Horas mais tarde, uma outra explosão foi registrada em um pequeno hotel próximo a um zoológico de Dehiwala, na capital, e matou pelo menos duas pessoas. A última denotação aconteceu em um complexo de casas na região de Dermatagoda, também em Colombo. O ministro das Reformas Econômicas e Distribuição Pública, Harsha de Silva, escreveu no Twitter que as duas explosões “parecem terem sido causadas por pessoas que fogem da justiça”. O ministro de Defesa, Ruwan Wijewardene, afirmou em entrevista coletiva que serão tomadas “medidas contra qualquer grupo extremista que estiver operando” no Sri Lanka. Por enquanto, nenhum grupo reivindicou a autoria dos ataques.

O primeiro-ministro do país, Ranil Wickremesinghe, liderou uma reunião de emergência com altos comandantes das forças de segurança e outros membros do governo. Harsha de Silva, que estava no encontro, deu detalhes no Twitter. Ele pediu “calma” e “atuação com responsabilidade”, ao mesmo tempo em que se mostrou comovido pelo que tinha visto após visitar vários locais do atentado.

Durante as celebrações de Páscoa, no Vaticano, o Papa Francisco condenou o atentado. Ele afirmou que o episódio trouxe “pesar e sofrimento a várias igrejas e outros lugares de reunião em Sri Lanka”. O Papa chamou o atentado “violência cruel” e afirmou estar “perto” das vitimas da tragédia.

O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, recebeu com horror e tristeza os atentados em Sri Lanka. No twitter, ele afirmou que a União Europeia estava pronta para ajudar o país.

Os atentados conta minorias religiosas estão voltando a se repetir. Em 2018, o governo declarou estado de emergência após os enfrentamentos entre muçulmanos e budistas resultarem na morte de duas pessoa e na prisão de dezenas. No Sri Lanka, a população cristã representa 7% do total, enquanto os budistas chegam aos 70%.

Publicidade
Publicidade