Profissão
Detetive particular: entenda como funciona e o que é preciso para se tornar um
Diferentemente dos icônicos personagens da ficção, esses profissionais, em grande parte de sua rotina, são designados para a solução de casos de foro íntimo
Shutterstock
Um detetive particular moderno pode ser acionado para solucionar uma série de investigações

Mesmo nos dias de hoje, em que uma vastidão de informações online deixa inevitáveis rastros pela internet, a profissão de detetive particular não deixou de existir e ter um amplo campo de atuação. Muito pelo contrário: é cada vez mais necessário contar profissionais altamente treinados e capacitados para desvendar mistérios e suspeitas também fora da web.

Diferentemente dos icônicos personagens da ficção, esses profissionais, em grande parte de sua rotina, são designados para a solução de casos de foro íntimo, longe da atuação de assuntos policiais ou de espionagem.
Trazemos aqui um panorama sobre a profissão e aspectos importantes para a formação de um profissional da área.

O que investigar?

Um detetive particular moderno pode ser acionado para solucionar uma série de investigações. Grande parte dos casos envolve a chamada investigação conjugal, em que um dos parceiros desconfia de uma possível traição. Ainda no âmbito familiar, muitos pais acionam detetives para averiguar e acompanhar as atividades dos filhos fora de casa, como também é possível que ele seja contratado para supervisionar atividades profissionais, como babás e cuidadores de idosos.

Esses profissionais também podem ser fundamentais para ajudar a desvendar o paradeiro de pessoas desaparecidas e até atuar no âmbito empresarial, resguardando companhias de funcionários ou ex-funcionários que possam lesar seu patrimônio físico e intelectual.

As possibilidades são vastas e variadas, incluindo até os casos de contraespionagem, em que o investigador pode detectar técnicas de observação e vazamento de informações não autorizadas implantadas por sócios, colaboradores e concorrentes que visam prejudicar um negócio.

Como se tornar um detetive particular?

Apesar de não exigir um curso de nível superior, a profissão demanda extrema habilidade de um futuro detetive particular. Primeiramente, a carreira demanda um forte controle emocional. Cada investigação é diferente da outra, exigindo muita disciplina concentração, raciocínio lógico, muita discrição e também desenvoltura quando necessário interagir com testemunhas-chave e extrair informações pertinentes a cada caso.

Além do perfil psicológico flexível, o profissional também precisa adquirir uma série de conhecimentos técnicos. O domínio de ferramentas e equipamentos como programas de monitoramento digitais, softwares de vigilância, GPS, câmeras de todas as naturezas e finalidades, microfones, gravadores, entre outros, são indispensáveis para a observação eficiente e coleta de dados e informações precisas para o desfecho da investigação.

A junção dessas habilidades somada à experiência de campo são indispensáveis para formar um bom detetive. Os honorários podem variar de acordo com a complexidade de cada caso, mas não é incomum que as investigações profissionais ultrapassem a casa dos R$150,00 por hora trabalhada.

Apesar de complexa, a profissão pode ser muito satisfatória e lucrativa para quem possui o perfil adequado. Enquanto houver dúvidas e suspeitas, sempre haverá a busca pela verdade.