Não deu
Potiguar Italo Ferreira perde duelo brasileiro no Oi Rio Pro
Ele foi derrotado pelo catarinense Yago Dora e agora Gabriel Medina e Filipe Toledo são os principais concorrentes para o Brasil conseguir a liderança do ranking em Saquarema
Divulgação/WSL
Na quarta-feira, a competição deve retornar ao seu palco principal e a primeira chamada do dia será as 6h45 na Praia de Itaúna

O potiguar Italo Ferreira não conseguiu vencer o duelo brasileiro da terceira fase do Oi Rio Pro com o catarinense Yago Dora e já perdeu a lycra amarela do Jeep Leaderboard em Saquarema. Agora, o campeão mundial Gabriel Medina e Filipe Toledo são os principais concorrentes para tirar a liderança do ranking do australiano Julian Wilson nesta quarta etapa do World Surf League Championship Tour. Além dos dois paulistas e de Yago Dora, o cearense Michael Rodrigues e o pernambucano Ian Gouveia também venceram suas baterias nas direitas da Barrinha na terça-feira e vão disputar vagas para as quartas de final do Oi Rio Pro. Na quarta-feira, a competição deve retornar ao seu palco principal e a primeira chamada do dia será as 6h45 na Praia de Itaúna, não mais na Barrinha.

“Eu acho que esse desafio de competir com algo do nível do Italo (Ferreira), me deixa mais motivado para entrar na bateria e acho que é para isso que estou aqui, você tem que estar pronto para enfrentar esses caras que estão no topo”, disse Yago Dora, que só tinha passado uma bateria nas três etapas da “perna australiana” e precisa de bons resultados para subir no ranking. Ele acertou um aéreo na finalização de uma onda que pegou nos últimos minutos, para virar o placar para 10,56 a 9,70 pontos do potiguar Italo Ferreira.

“Eu me preparei muito mentalmente para essa bateria de hoje (terça-feira)”, contou Yago Dora. “Eu tenho acompanhado o Italo (Ferreira) desde Snapper Rocks (local da primeira etapa na Austrália) e acho que ele é o cara que está surfando melhor esse ano, então eu sabia que ia ser uma bateria muito difícil. Eu sabia que tinha surfe pra avançar, mas estava trabalhando minha mente pra ficar bem confiante. Eu acho que esse grupo de brasileiros, um puxa o nível do outro. A gente tem uma relação muito próxima e muita gente reclama que a gente só anda em grupo, fala alto, mas é isso que está fazendo a gente ser o que a gente é hoje”.

Dos cinco brasileiros classificados, dois já estão garantidos nas quartas de final, pois a bateria que vai abrir a quarta fase ficou 100% verde-amarela, entre Filipe Toledo, Ian Gouveia e Michael Rodrigues. Os dois primeiros colocados avançam e o terceiro termina em nono lugar no Oi Rio Pro, marcando 3.700 pontos no ranking. Ian Gouveia foi o primeiro a se classificar. Ele surfou o melhor tubo nos dois dias de competição nas direitas da Barrinha e na saída atacou forte uma junção cavernosa para arrancar a maior nota do campeonato – 9,93. Três dos cinco juízes chegaram a dar nota 10 para ele e essa onda liquidou o sul-africano Jordy Smith, que era até o favorito para vencer essa primeira bateria da terceira fase.

“Realmente, estou tendo que atacar qualquer junção que vier, depois de três 25.as colocações na Austrália. Estou precisando passar baterias, precisando fazer pontos, então estou amarradão por ter avançado mais uma”, disse Ian Gouveia, que apesar de preferir surfar esquerdas, ganhou sua maior nota no ano nas direitas. “Hoje (terça-feira) realmente está a Barrinha que queríamos ver, mas eu continuo querendo surfar esquerdas. Fiz um treino em Itaúna e peguei altas ondas antes de vir aqui pra Barrinha, mas o vento começou a bater terral, então os tubos apareceram e realmente está sendo um show de tubos aqui hoje”.

Na bateria seguinte, mais um cabeça de chave foi eliminado por um brasileiro. O cearense Michael Rodrigues levou um sufoco tomando várias séries na cabeça, mas manteve a calma e achou boas ondas para mostrar toda a versatilidade do seu surfe. A bateria começou forte, com Michael recebendo nota 7,27 em sua primeira onda e o português Frederico Morais respondendo com 8,17 em um belo tubo. Só que depois ele não conseguiu surfar nenhuma outra onda boa e o brasileiro ainda somou um 6,43 de um aéreo para vencer por 13,70 a 11,07 pontos.

“Foi uma manhã difícil pra mim, fui esmagado por algumas ondas, mas agora me sinto bem melhor e pronto para as próximas”, disse Michael Rodrigues. “Hoje (terça-feira) aqui está muito parecido com Floripa (Florianópolis-SC, onde ele mora), com esse tipo de vento e tipo de onda. Essa minha prancha nem é muito boa para dar aéreo, mas trabalhou bem, está boa para tubo, manobras e aéreo, então estou feliz por ter escolhido ela e ter dado tudo certo”.

A terceira fase prosseguiu com a torcida que encheu a praia da Barrinha na terça-feira vibrando com outra vitória brasileira. Foi uma bateria fraca de ondas, mas o paulista Filipe Toledo conseguiu derrotar o havaiano Keanu Asing por uma pequena diferença de 6,90 a 6,37 pontos. Com a classificação para a quarta fase, Filipe já assumiu o quarto lugar no ranking, logo abaixo de Gabriel Medina, que pulou para terceiro quando também passou sua bateria.

“A bateria não foi do jeito que eu esperava, mas Deus sabe de todas as coisas e Ele quis assim, que eu passasse a bateria mesmo com notas baixas”, disse Filipe Toledo. “Quero vir com tudo no próximo rounde, focar mais para fazer um trabalho melhor, uma estratégia melhor, então só tenho que agradecer a Deus pela oportunidade de continuar no campeonato. Quero agradecer também a todos que estão me apoiando, ao meu pai, minha família, minha esposa e meus filhos que estão aqui. Agora é focar no rounde 4”.

Depois de três vitórias seguidas, caíram os primeiros brasileiros na terceira fase. Na quarta bateria, Willian Cardoso não achou ondas para surfar contra o norte-americano Kolohe Andino. E em outra disputa fraca de ondas, o também catarinense Alejo Muniz foi batido pelo número 1 do Jeep Leaderboard, Julian Wilson, por 9,34 a 8,94 pontos.

CAMPEÕES MUNDIAIS – O Brasil voltou a vencer com Gabriel Medina vingando a derrota sofrida para o australiano Mikey Wright na mesma terceira fase da etapa da Gold Coast, na Austrália. O campeão mundial arriscou as manobras, tentou os aéreos e fez de tudo para vencer por 13,10 a 12,64 pontos e seguir buscando a sua primeira vitória na etapa brasileira do World Surf League Championship Tour.

“É muito bom surfar em casa, com a torcida dando todo esse suporte, minha família, meus amigos e estou feliz por ter passado essa bateria”, disse Gabriel Medina. “Eu sabia que ia ser uma bateria difícil e estou feliz com a vitória. Eu tive uma bateria com o Mikey (Wright) na Gold Coast, agora aqui de novo e estou feliz de ter ganho essa, porque é sempre bom ganhar baterias. Provavelmente a gente vai ver ele no circuito ano que vem, então é bom já ir se acostumando e sabendo mais sobre seus oponentes”.

Medina vai enfrentar dois havaianos na terceira classificatória para as quartas de final, Sebastian Zietz e Ezekiel Lau. Depois dele, só mais um brasileiro venceu, Yago Dora batendo o lycra amarela Italo Ferreira. Os outros dois foram eliminados por surfistas do Havaí. O catarinense Tomas Hermes perdeu para Sebastian Zietz e o bicampeão mundial John John Florence fez um novo recorde de pontos para o Oi Rio Pro, 17,97 pontos de 20 possíveis com a nota 9,80 da sua melhor onda surfada contra o paulista Miguel Pupo na bateria que fechou a terça-feira na Barrinha.