Basquete
NBA investe no mercado do Brasil para consolidar espaço da liga
Crescimento de recursos e iniciativas para atrair cada vez mais fãs ajudam a firmar o País como segundo maior consumidor da prática esportiva
Reprodução / Reuters
Nova temporada regular da NBA será iniciada a partir do próximo dia 16

O fã de NBA no Brasil viverá sensações opostas na temporada 2018/2019, que começa dia 16. Se por um lado o número de jogadores brasileiros na liga caiu, por outro o melhor basquete do mundo nunca teve os olhos tão voltados para o País. O interesse tem motivo: o mercado nacional está cada vez mais atraente.

“O brasileiro gosta, acompanha e entende de esportes. E o basquete vem crescendo nos últimos anos”, disse o veterano Anderson Varejão, ex-Cleveland Cavaliers e Golden State Warriors.

O aumento no número de jogos transmitidos, as inaugurações de “casas” voltadas à liga e até o convite para que times do Brasil enfrentem os da NBA fazem parte do investimento. Nesta sexta-feira, o Flamengo, de Varejão, encara o Orlando Magic, na Flórida.

Chefe da NBA no País, Rodrigo Vicentini explicou que o Brasil é “o segundo mercado mais estratégico para a NBA no mundo”, atrás somente da China. “Temos aumentado a nossa presença ano a ano, investindo em vários segmentos, e o resultado tem sido excelente.

De fato, o investimento passa por levar o fã brasileiro o mais próximo possível da experiência que a NBA proporciona. Se são poucos os que têm condições de ir aos Estados Unidos assistir a uma partida, a liga promoveu nas últimas duas temporadas a NBA Finals, uma casa na avenida Paulista para a transmissão das finais. No mês passado, inaugurou a NBA Basketball School, que permite que qualquer entidade com escolinhas de basquete para jovens de 6 a 17 anos. A liga também trouxe lojas para o País e projeta a estreia do NBA Café para 2019. O dirigente garantiu que o mercado brasileiro já é uma realidade rentável. “O investimento é cada vez maior e mais bem planejado”, diz.

Se fora de quadra, o Brasil é cada vez mais atraente à NBA, dentro a realidade é outra. Dois anos após ter nove atletas do País em suas equipes, a liga tem apenas três garantidos para esta temporada: Raulzinho, do Utah Jazz, Cristiano Felício, do Chicago Bulls, e Nenê, do Houston Rockets. Bruno Caboclo tem vínculo com os Rockets para a pré-temporada e sua permanência ainda é uma incógnita.