Luto
Morre aos 68 anos, o ex-técnico da seleção de vôlei, Bebeto de Freitas
Como técnico, levou o Brasil à medalha de prata nos Jogos Olímpicos de 1984, em Los Angeles, iniciando a época de sucesso da modalidade
Fernando Maia / Agência O Globo
Sobrinho do jornalista e treinador de futebol João Saldanha, ele foi jogador e técnico da seleção brasileira de voleibol

Ex-técnico da seleção brasileira de vôlei nos anos 80, ex-presidente do Botafogo e atual diretor de Administração e Controle do Atlético-MG, Paulo Roberto Freitas, o Bebeto de Freitas, faleceu nesta tarde de terça-feira, aos 68 anos, após um infarto fulminante. Um helicóptero chegou a ser chamado à Cidade do Galo, em Vespasiano, para atender o dirigente, que acabou não resistindo. O dirigente passou mal logo após a coletiva de apresentação do time de futebol americano do clube.

Bebeto teve extensa carreira esportiva. Sobrinho do jornalista e treinador de futebol João Saldanha, ele foi jogador e técnico da seleção brasileira de voleibol. Atleta do Botafogo, conquistou onze campeonatos cariocas de vôlei consecutivos (de 1965 até 1975), além de ter defendido a seleção brasileira nos Jogos Olímpicos de 1976, em Montreal.

Como técnico, levou o Brasil à medalha de prata nos Jogos Olímpicos de 1984, em Los Angeles, iniciando a época de sucesso da modalidade. Após a chamada “geração de prata”, o vôlei passou décadas no lugar mais alto do pódio e hoje é considerado o segundo esporte no país.

Bebeto também teve grande sucesso no vôlei italiano, ao comandar o Maxicono Parma (1990-1995), onde venceu cinco importantes títulos nacionais. Além disso, foi convidado a treinar a seleção italiana, de 1997 a 1998. Nesse período foi campeão da Liga Mundial, em Moscou, e campeão mundial, em Tóquio, e entrou no Hall da Fama da modalidade.

Ao aposentar sua carreira como treinador de vôlei, Bebeto iniciou suas atividades como dirigente profissional no Brasil entre 1999 e 2001, no Atlético-MG. Contratado como diretor-executivo pelo presidente Nélio Brant, ele trabalhava em conjunto com o diretor de futebol Alexandre Kalil, que viria a ser presidente do clube anos mais tarde.

Após uma breve passagem como dirigente do Botafogo em 2002, Bebeto concorreu à presidência de seu clube do coração no fim do ano. Eleito, conduziu em seu primeiro ano o regresso do alvinegro à Série A. Três anos mais tarde, ele foi reeleito ao cargo que ocupou o fim de 2008. No período, o Botafogo conquistou a concessão do Engenhão, batizado anos mais tarde de Nilton Santos.

Após deixar a presidência do Botafogo, Bebeto voltou a trabalhar no Atlético-MG, em 2009, dessa vez já comandado por Kalil. Quando foi eleito prefeito de Belo Horizonte, o ex-presidente do Atlético-MG anunciou Bebeto de Freitas como secretário municipal de esportes. Após a eleição de Sergio Sette Câmara à presidência do Atlético, em dezembro passado, Bebeto deixou a secretaria municipal e assumiu a diretoria executiva do clube.

 

 

Fonte: O Globo